sexta-feira, 15 de novembro de 2013

JOVEM QUE ATEOU FOGO NA CASA DA AVÓ E TENTOU MATÁ-LA, É ASSASSINADO COM TIRO DE “12”

(Foto: cubatiurgente)
Tiago dos Santos Sousa, de 25 anos, que morava no sítio Serrote do Angico, em Pedra Lavrada, no Seridó paraibano, foi assassinado com um tiro de espingarda calibre “12”.
Ele já havia sido preso, em 2012, por ter ateado fogo na casa da avó e por tentar incendiar uma escola em Pedra Lavrada, além de ameaçar algumas pessoas com uma arma branca.


(Tiago quando foi preso em 2012)
Tiago foi surpreendido por dois homens em uma moto no sítio Barra de Canoa, próximo onde morava.
Um deles teria efetuado o disparo.
O crime aconteceu segunda-feira (11/11).

ASSASSINATO EM CAMPINA NA ZONA LESTE: DÍVIDA DE 20 REAIS PODE TER MOTIVADO O CRIME

(Douglas ainda chegou com vida na Unidade)
Douglas Batista dos Santos, 23 anos, que morava na Travessa Silva Jardim, José Pinheiro, Em Campina Grande, foi morto com dois tiros de revólver, por volta das 22h00.
O crime aconteceu na zona leste.
Ele chegou a ser socorrido para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) na Avenida Manoel Tavares, Alto Branco, mas não resistiu aos ferimentos.
Douglas foi “deixado” na Unidade por homens que ocupavam um Golf de cor preta.
As informações dão conta de que o motivo do crime seria uma dívida de “20 reais” contraída pela vítima com um traficante.
Ele era usuário de drogas. 
Este ano já foram registrados 162 homicídios em Campina Grande.


IDENTIFICADO HOMEM BALEADO NA PRATA

(Disparo perfurou o capacete)
Foi identificado o homem baleado na tarde de quarta-feira (13/11), no bairro Prata por volta das 18h20, após assalto em  um mercadinho.
Trata-se de Messias dos Santos Silva, 19 anos, morador de Bodocongó.
Na saída do estabelecimento ele acabou baleado com um tiro na cabeça.
O jovem foi conduzido para o Hospital de Trauma onde permanece internado em estado grave.
Tudo aconteceu na Avenida Rio Branco, próximo a feira do bairro.

VEREADOR É DENUNCIADO POR TRABALHO ESCRAVO: 21 TRABALHADORES FORAM RESGATADOS

(Mãos de trabalhador)
Uma operação conjunta do Ministério Público do Trabalho, Ministério Público do Trabalho e Emprego e Polícia Rodoviária Federal resgatou, em Serra Branca, cariri paraibano,  21 trabalhadores em situação semelhante à de escravos.
Eles trabalhavam nas pedreiras Tamboril e Sítio Serra Verde, pertencentes ao vereador Carlos Kléber Ribeiro Barros (DEM).
As pedreiras foram interditadas.
A operação do Grupo Especial Interinstitucional de Fiscalização teve a participação do procurador do Trabalho Ulisses Dias de Carvalho.
O procurador disse que vai representar o vereador junto ao Ministério Público Federal por trabalho escravo, bem como no Ministério Público Estadual por ato de improbidade administrativa porque ele usava uma escola municipal para alojar os trabalhadores.
Ulisses revela ainda que também vai representá-lo na Câmara Municipal de Serra Branca por falta de decoro parlamentar.
Inicialmente, foram encontrados nove trabalhadores em condições degradantes, sem registro na carteira de trabalho, sem equipamentos de proteção individual, em ambiente sem instalações sanitárias nem refeitório.