Menu

sexta-feira, 27 de março de 2015

BRIGAS ENTRE FAMÍLIAS QUE RESULTARAM EM QUASE 100 MORTES: IRMÃOS SÃO CONDENADOS A 27 ANOS DE PRISÃO

Foram condenados nesta quinta-feira (26/03) a 26 anos e seis meses de prisão os irmãos Grimailson Alves de Mesquita, Geneton de Mesquita e Magnólia Alves de Mesquita investigados durante a “Operação Laços de Sangue”, que aconteceu em 2011 no Sertão da Paraíba.
As informações são do promotor do caso, Osvaldo Lopes.
A operação pôs fim a uma briga entre famílias que se estendeu por mais de 30 anos e resultou em pelo menos 100 mortes e investigou a atuação de pistoleiros em homicídios que seriam motivados por rixas entre famílias das cidades de Catolé do Rocha e Patos, no Sertão da Paraíba, do Rio Grande do Norte e do Ceará.
Os réus foram condenados por homicídio e formação de quadrilha em um julgamento que durou aproximadamente 12 horas no 2º Tribunal do Júri do Fórum Afonso Campos, em Campina Grande. De acordo com a Justiça, eles faziam parte de um esquema de pistoleiros.
A primeira parte da operação Laços de Sangue aconteceu em setembro de 2011 e prendeu pelo menos 15 integrantes dessas famílias com 18 armas, entre pistolas, escopetas e espingardas supostamente utilizadas nos assassinatos.
Na época, o delegado André Rabelo disse ainda esperar prender mais suspeitos de envolvimento nos crimes.
Após a realização da operação, juízes e delegados envolvidos nas investigações passaram a receber ameaças de morte, o que motivou o Tribunal de Justiça a solicitar reforço na segurança.
Em novembro de 2011, a segunda parte da operação cumpriu quatro mandados de prisão na cidade de Catolé do Rocha, localizada a 411 km de João Pessoa e três homens e uma mulher da mesma família foram presos, todos suspeitos de integrar grupos de extermínio.
Em dezembro de 2011, o Ministério Público da Paraíba denunciou nove suspeitos de participação em dois grupos que seriam responsáveis por 95 homicídios, todos motivados por uma rixa entre famílias.
A denúncia foi apresentada por promotores do Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado (Gaeco).
(g1pb)

Nenhum comentário:

Postar um comentário