Menu

quarta-feira, 11 de março de 2015

DE QUEM É A RESPONSABILIDADE DA PLACA QUE CAIU SOBRE AS MULHERES EM CAMPINA GRANDE?

(A placa sobre o carro e as duas mulheres)
Solicitei autorização da jornalista Dilvani Alves* para reproduzir no renatodiniz.com a indignação dela sobre um caso recente em Campina Grande: a queda de uma placa publicitária em cima de duas mulheres.
"De que é a responsabilidade? Alguém será responsabilizado?" Questiona Dilvani.
Uma das vítimas, Maria de Fátima Ramos, 51 anos, fazia caminhada e sofreu fratura em uma das pernas.
Já Marisa Barbosa Marques, de 61, estava no veículo e sofreu uma forte pancada na coluna.
Maria de Fátima, segundo fontes, estaria internada no Trauma aguardando cirurgia.
Quanto a Marisa, leiam o texto abaixo.

Esta é Marisa.
Na foto, tirada na última quarta-feira (04/03) à noite, ela estava fazendo uma das coisas de que mais gosta: posar com as amigas durante as aulas na academia.
No dia seguinte, Marisa dirigia seu carro pela Avenida Brasília, quando o veículo foi atingido por uma placa publicitária.
Hoje ela está na UTI de um hospital, onde foi submetida a uma cirurgia para colocação de uma placa de metal e quatro pinos na coluna vertebral.
O diagnóstico foi categórico: Marisa perdeu os movimentos dos membros inferiores e, muito dificilmente, voltará a andar.
Segundo os médicos, tem 1% de chance de voltar a sentar, com um trabalho longo e intenso de fisioterapia.
E agora, quem vai garantir o sustento de Marisa e sua família? Quem vai custear o tratamento para que ela possa, ao menos, conseguir sentar-se novamente um dia?
É bem verdade que o acidente foi uma fatalidade.
Ninguém tem culpa pela chuva e pelo vento.
Nem ela sabia que não deveria passar por ali naquele momento. Mas a instalação e manutenção de placas publicitárias são de responsabilidade de alguém sim.
De quem então? De quem instalou? Da empresa que pagou para que sua publicidade ficasse ali? De quem não deu a devida manutenção? De quem não fiscalizou?
Não vi a imprensa fazer esses questionamentos.
Aliás, a imprensa tratou o caso como uma simples consequência das chuvas ocorridas na cidade.
Sequer divulgou o quão grave foram os ferimentos causados na motorista do carro e na pedestre, também atingida pela mesma placa.
Muito triste ter acontecido isso.
Mais triste ainda é ver que ninguém atentou para um detalhe: existem inúmeras outras placas publicitárias espalhadas nas cidades.
Será que elas estão recebendo a devida manutenção?
E aquele trambolho que o Patrimônio Histórico insiste em manter de pé em pleno Centro de Campina Grande, o prédio do antigo Capitólio, será que igualmente não corre o risco de desabar, causando uma tragédia?
Placas e prédios, quando não cuidados, caem de todo jeito.
Com chuva ou sem chuva.
Com vento ou sem vento.
Depois do incêndio na boate Kiss, o Corpo de Bombeiros fiscalizou e interditou algumas boates e casas de festa em Campina Grande.
E agora, quem vai dar o primeiro passo para fiscalizar prédios antigos e placas publicitárias?
Ou vão esperar para, literalmente, correr depois do prejuízo?”
*Dilvani Alves é jornalista. Foi repórter e editora assistente do Jornal da Paraíba; repórter e chefe de reportagem do Diário da Borborema ; assessora de imprensa da prefeitura municipal de Campina Grande (Codecom, Sec. de Infraestrutura e Sec. de Educação).

Nenhum comentário:

Postar um comentário