Menu

quarta-feira, 17 de junho de 2015

CONDENADO A 26 ANOS DE PRISÃO ACUSADO DE MATAR EMPRESÁRIO E ENTERRAR O CORPO NO QUINTAL DA CASA ONDE IRIA MORAR; FAMILIARES DA VÍTIMA FORAM ATÉ A POLÍCIA CIVIL PARA AGRADECER PELA INVESTIGAÇÃO DO CRIME

(Franklin: condenado a 26 anos)
Em júri realizado nesta terça-feira (16/06) no Fórum Affonso Campos, o vidraceiro Franklin de Lima Tavares, 30 anos, foi condenado a uma pena de 26 anos de reclusão pela morte do empresário Natanael Sobreira da Costa Júnior.
O crime aconteceu em janeiro de 2014.
Familiares da vítima compareceram nesta quarta-feira (17) na Delegacia de Homicídios, em Campina Grande para agradecer  as investigações da polícia civil que resultaram na elucidação do homicídio e em particular aos dois agentes que foram arrolados como testemunhas de acusação durante o júri.
COMO FOI O CRIME
Natanael tinha um carro para vender, Frank se interessou para comprar, eles acertaram as “bases” do negócio, mas na verdade Natanael, então com 30 anos, caiu numa cilada e foi assassinado com um tiro na cabeça (altura do ouvido).
“Júnior” como era conhecido, estava desaparecido desde 22 de janeiro/2014 quando saiu de casa (no Cruzeiro) para “fechar” um negócio sobre a venda de um Honda Civic.
(Natanael Sobreira: assassinado em janeiro/2014)
O comprador seria o vidraceiro Franklin, morador do Centenário, com quem Júnior foi se encontrar.
Na manhã do domingo (26/01), o mistério do sumiço do empresário começou a ser desvendado com a prisão de Franklin que após quase 10 horas de interrogatório confessou o crime na Polícia Civil.
A PRISÃO DO ACUSADO
Uma blitz da 3ªCptran se realizava na saída de Campina Grande para Queimadas.
Ao avistar a barreira, o condutor de um carro teria tentado desviar do ponto de bloqueio, mas a guarnição comandada pelo sargento Johnson saiu no encalço e na Avenida João Wallig, fez a abordagem.
(Policiais da CPTran, o acusado e arma do crime)
No interior do veículo foi encontrado um revólver Taurus calibre “38”.
No local, os policiais ficaram sabendo que o Honda Civic de cor preta e placas MNK 9815, em poder do vidraceiro, pertencia ao empresário desaparecido.
O caso foi parar na Central de Polícia, por causa do porte ilegal de arma.
Quando Franklin chegou superintendência, acompanhado dos policias da CPTran, tudo começou a ser esclarecido.
O PROCEDIMENTO NA CENTRAL DE POLÍCIA
O delegado Severino de Carvalho Lopes, foi o plantonista e por coincidência, desde a quarta-feira (23/01/2014), tinha conhecimento do desaparecimento de Natanael e outros detalhes que poderiam apontar para um suposto crime.
(Arma do crime)
Foi na delegacia que ele comandava (2ºDD), que os familiares registraram um boletim de ocorrência sobre o sumiço do empresário.
Franklin, inclusive, chegou a ser ouvido sobre o caso, mas afirmou que “assim que fechou negócio com Natanael sobre o carro”, não viu mais ele.
Ainda, segundo a polícia, Franklin se colocou a “disposição para qualquer coisa”.
O CARRO COM VESTÍGIOS DE SANGUE
O Honda Civic, encontrado com o vidraceiro, tinha vestígios de sangue.
Até então preso só pelo porte de arma, o rapaz passou a ser o suspeito de um assassinato.
A partir daí a polícia civil montou uma verdadeira operação que desmantelou e desmanchou  todos os argumentos de Franklin.
Entrou em cena, uma equipe da Delegacia de Homicídios.
O DEPOIMENTO, AS CONTRADIÇÕES E A CONFISSÃO
O delegado Antônio Lopes ouviu o suspeito por quase exaustivas dez horas.
Ele não assumia qualquer delito, a não ser o porte ilegal de arma.
As contradições foram acontecendo e o vidraceiro “abriu o jogo”.
O CRIME E O MOTIVO
De acordo com Antônio Lopes, a polícia civil descobriu um crime brutal motivado por inveja e ganância.
O motivo de tudo foi o Honda Civic.

Na noite da terça-feira (22/01) Natanael recebeu uma “ligação” do “comprador” e foi encontrá-lo na Travessa Jader Medeiros, no bairro Centenário, onde morava o acusado.
Lá o interessado no carro tomou o lugar de Natanael na direção que, por sua vez, foi para o banco do carona.
Franklin queria o veículo e o comerciante aceitou vendê-lo, mas na hora de fechar o negócio houve um desentendimento, pois o Honda foi oferecido por "15 mil reais" e o interessado só tinha “13 mil reais”.
O empresário não quis entregar o veículo.
Contou o delegado Antônio Lopes: “Sem que Natanael percebesse, Franklin tirou uma arma da cintura, fez um gesto como se fosse abraçar o banco do carona e atirou. A bala pinou. Natanael perguntou o que tinha sido aquilo e o acusado atirou novamente matando Natanael dentro do próprio carro”.
A OCULTAÇÃO DO CADÁVER
A após matar o empresário, Franklin cuidou de se livrar do corpo e para isso enterrou Natanael numa cova rasa em uma casa na Rua Maria Dalva de Almeida Uchoa, no bairro Ramadinha “2”.
(Pá, picareta e enxada usadas para a ocultação do corpo)
Disse o delegado Antônio Lopes: “Quando praticou o homicídio, o acusado ficou perturbado sem saber o que fazer com o corpo. Então lembrou que havia alugado uma casa na Ramadinha onde passaria a morar depois de casar. Levou a vítima para o local, entrou de ré na garagem, retirou o corpo do carro, deixou dentro do imóvel e voltou para casa no Honda Civic. No dia seguinte, comprou uma pá, uma enxada, além uma picareta e foi até a casa na Ramadinha. Lá ele cavou uma cova rasa no quintal e ocultou o cadáver.”
Durante quase uma semana o acusado ficou com o carro de Natanael.
A Vítima era pai de uma criança portadora de necessidades especiais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário