Menu

segunda-feira, 22 de junho de 2015

RAPAZ LEVA SOCO AO DAR ENTREVISTA À TV SOBRE ACIDENTE QUE MATOU MULHER; EM CAMPINA SUSPEITO DE MATAR NAMORADA EM ACIDENTE DE TRÂNSITO SE DIZ INJUSTIÇADO

Um rapaz que teria envolvimento em um acidente que matou uma motociclista, neste domingo (21/06), em Cuiabá/MT, levou um soco no momento em que estava sendo entrevistado por uma equipe da TV Centro América.
Alysson Guedes Zoli Delazari e Kenedy Velho foram agredidos por moradores depois que o carro deles atingiu uma moto, na Avenida General Mello.
A vítima Janaína Almeida Rodrigues, de 26 anos, trabalhava como frentista e morreu no local.
Ela deixou o marido e o filho de 3 anos.
A indignação de testemunhas começou depois que o motorista e o passageiro trocaram de lugar logo após o acidente.
Testemunhas relataram que o carro em que os rapazes estavam trafegava em alta velocidade e acusaram os dois de estarem embriagados.
Segundo a Polícia Civil, o motorista na verdade era Kenedy, de 33 anos.
No entanto, Alysson se apresentou como condutor do veículo.
 “Eu estava dirigindo, eu estava no volante. Eu ia descendo a General Mello. Era eu no volante e não o Kenedy”, disse, momentos antes de ser agredido.
Um homem, que não foi identificado e nem preso, deu um soco no rosto de Alysson durante a entrevista.
A gravação foi interrompida e a polícia tentou conter os agressores.
“Esse carro me ultrapassou a 'mil [km] por hora'. Devia estar a 150 e 160 km/h. Ele desceu muito rápido, me ultrapassou e jogou [o carro] pra frente. Na frente dele tinha outro veículo. Quando ele foi fazer a ultrapassagem, bateu de frente com a moto da menina”, relatou o autônomo Alessandro Correia, que testemunhou o acidente.
Além de agredirem os suspeitos, os moradores também jogaram pedras e tentaram danificar o carro envolvido no acidente e a própria viatura da Polícia Militar.
Os dois rapazes foram levados para a 2ª Delegacia de Polícia Civil, em Cuiabá.
De acordo com a polícia, Kenedy deverá responder por homicídio culposo, quando não há intenção de matar.
Ele foi liberado da delegacia após pagamento de fiança no valor de “1.500,00 reais”
Já Alysson, conforme a polícia, estava como passageiro e teria trocado de lugar no veículo se passando por motorista, assinou apenas um Termo
Circunstanciado de Ocorrência (TCO) de 'autoacusação', documento usado em crime considerado de menor potencial ofensivo.
(g1mt)
“ESTOU SENDO INJUSTIÇADO”, DIZ SUSPEITO DE MATAR NAMORADA EM ACIDENTE DE TRÂNSITO

João Artur Canuto, de 23 anos, suspeito de atropelar e matar a namorada em Campina Grande, diz que está sendo injustiçado e que não tem culpa na morte da jovem Nayara Ellen, de 17 anos.
O caso aconteceu no dia 7 de março na rotatória que fica embaixo do viaduto Elpídio de Almeida, no Centro da cidade.
As investigações apontam que os dois tinham brigado e ele seguiu a vítima, colidiu na motocicleta dela e a atropelou.
Em entrevista à TV Paraíba João Artur se eximiu de culpa no caso.
"Eu estou sendo injustiçado por uma coisa que eu não fiz. É muito doloroso para uma pessoa que perdeu um ente querido ainda ser acusado".
Segundo a delegada que apurou o caso, Ellen Maria, áudios espalhados pelo homem em um aplicativo de mensagens instantâneas ajudaram na investigação.
"O próprio namorado divulgou áudios dizendo e chorando que seguia em um carro atrás da namorada e viu todo o acidente", relata.
À época, a polícia divulgou que a jovem pilotava uma motocicleta e colidiu lateralmente com um ônibus e foi atropelada pelo transporte coletivo.
Ainda segundo a delegada, a investigação aponta que João Artur seguia atrás da motocicleta, porém ele tem outra versão.
O suspeito diz que estava em um carro bem à frente da motocicleta. Também nega que fazia ameaças e que houve briga entre os dois.
João Artur continua preso.
O advogado dele, Bruno Cadé, está confiante na comprovação de inocência do suspeito.
"As provas por si só vão absolver João Artur. Na fase da defesa outras testemunhas vão esclarecer o caso", destaca.
(g1pb)

Nenhum comentário:

Postar um comentário