Menu

sexta-feira, 3 de julho de 2015

MATERNIDADE EMITE RESULTADO DE EXAME ERRADO E DIZ QUE BEBÊ ESTÁ MORTO: ELE ESTÁ VIVO

Um erro no resultado de um exame médico feito pelo Instituto de Saúde Elpídio de Almeida (Isea), em Campina Grande, por pouco não resultou no aborto de um bebê saudável.
Segundo a adolescente de 17 anos, que está grávida há cerca de nove semanas, o resultado do exame feito na terça-feira (30) apontou que o bebê estava morto na sua barriga.
Desconfiada, a jovem decidiu fazer um novo exame em uma clínica que também atende pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e obteve novo diagnóstico de que a gravidez seguia normalmente.
Hospital da Paraíba afasta equipe médica após morte de grávida
Familiares protestam após morte de gestante em Campina Grande
O pai da adolescente grávida, em entrevista à TV Paraíba, comentou que desconfiou do resultado que apontava a morte do neto, pois os sintomas da filha não eram compatíveis ao que o primeiro exame havia apontado.
“Imaginei assim que estava errado, porque como ela não estava sentindo nada, nenhum tipo de incômodo, febre que era o principal a ter, a gente desconfiou. Não só eu, como a avó e os familiares”, comentou.
A adolescente relatou que o Isea havia informado sobre os procedimentos abortivos que seriam aplicados logo no dia seguinte. 
“Me mandaram voltar no outro dia para fazer a curetagem. Para eu tomar remédio, para abrir o útero e provocar o aborto”, detalhou.
O exame que confirmou a normalidade da gravidez foi feito na quarta-feira (1º).
O problema com o exame no Isea vai ser investigado pela maternidade. Segundo a coordenadora do setor jurídico da Secretaria de Saúde de Campina Grande, Rebeca Cury, todas as providências por parte da secretaria serão tomadas.
“Temos total interesse em esclarecer todos os fatos, bem como vamos procurá-la para que ela apresente esse exame de ultrassonografia, para ser analisado. E a partir daí, todas as providências administrativas serão tomadas para que sejam punidas todas as pessoas que tenham cometido um equívoco com relação ao caso dela".
(g1pb)

Nenhum comentário:

Postar um comentário