Menu

sábado, 5 de setembro de 2015

MORTE DO GARÇOM EM CAMPINA: POLÍCIA ESPERA AGORA EXAME BALÍSTICO

(Tatiana Barros Matos: investiga o crime)
De acordo com a delegada Tatiana Barros, a reconstituição do crime de Aírton Leitão Oliveira Júnior, foi extremamente importante para excluir qualquer tentativa de impedir a verdade.
Agora a polícia está esperando tão somente o confronto balístico para saber se os dois projéteis retirados do corpo da vítima foram da mesma arma.
Esta arma seria o revólver de Welton Dutra.
Ele permanece preso sob o efeito de um Mandado de Prisão Temporária por ser o acusado do crime.
Welton garante que os disparos que tiraram a vida de Júnior foram do revólver de Hélio, durante uma luta corporal.
Este revólver não apareceu, pois em depoimento dias atrás Hélio afirmou que deixou a arma na calçada e esta desapareceu.
A delegada disse que a “reprodução simulada” (reconstituição) realizada pela equipe do IPC foi muito detalhista e muito bem executada.
“Dr. Maxuell e Dr. Rodolfo, foram extremamente diligentes. Foi uma equipe muito preparada”.
Os peritos ouviram as versões de Hélio e de Welton, separadamente.
“Em seguida Hélio participou da reconstituição e depois foi a vez de Welton. Em nenhum momento os dois tiveram acesso a reconstituição do outro”, afirmou Tatiana.
A reconstituição ocorreu em um trecho da Rua José Castro Barreto Filho, no Conjunto Mariz, em Campina Grande, na tarde desta sexta-feira (04/09) e demorou exatamente três horas e cinco minutos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário