Menu

quinta-feira, 12 de novembro de 2015

OPERAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO EM GADO BRAVO IDENTIFICA DESVIO DE DINHEIRO DA PREFEITURA; ROMBO PODE CHEGAR A UM MILHÃO DE REAIS

(Promotor Romualdo Tadeu: "Gado Bravo será ressarcida)
Segundo o ministério público o ex-secretário de Finanças da prefeitura de Gado Bravo, no Agreste, Warison de Brito, o irmão dele  Wallisson de Brito, assessor especial, e outro assessor José Mário Alves, são suspeitos de ser os mentores e executores de um esquema de desvio de recursos da prefeitura que vem afundando o município.
Eles foram presos na manhã desta quinta-feira (12/11) na Operação Salinas realizada pelo ministério público da Paraíba com apoio da polícia militar e estão presos em Aroeiras.
Os mandados são temporários e têm duração de cinco dias.
Warisson e Wallisson são filhos do prefeito Evaldo Araújo.
De acordo com o ministério público os suspeitos fraudavam processos licitatórios, falsificavam documentos e utilizavam indevidamente dados de diversas pessoas para fazer empenhos de serviços que nunca foram realizados.
O que mais chamou a atenção do ministério público foi que no nome de um vaqueiro, que trabalhou para a família do prefeito,  foram encontrados empenhos que totalizam 160 mil reais.
O dinheiro era empenhado para pagar contas em um restaurante que não existe.
O Promotor Romualdo Tadeu concedeu entrevista coletiva sobre o caso.
O NOME DA OPERAÇÃO
“O nome da operação é Salinas, pois todos os presos moram no sítio Salinas, em Gado Bravo”.
AS INVESTIGAÇÕES
“As investigações tiveram início após denúncias de membros da associação Agropecuária de Gado Bravo. E em buscas no site do TCE eles descobriram vários empenhos designados a pessoas que nunca receberam este dinheiro. Havia empenho em nome de filhos de associados que nunca receberam este dinheiro. A Associação buscou esses empenhos no Sagres e os encaminhou ao Ministério Público. Nós desencadeamos uma investigação que hoje culminou a prisão de três pessoas, em caráter temporário, condução coerciva de mais três e sete Mandados de Busca e Apreensão”.
COMO ERA O GOLPE
“As pessoas carentes procuravam a prefeitura em busca de um auxílio. A ordem era para que essas pessoas deixassem a documentação e com essa documentação (completa), os acusados confeccionavam empenhos, falsificam as assinaturas dessas pessoas, inclusive com endosso de cheques”.
VALORES DESVIADOS DOS COFRES DO MUNICÍPIO
“Pelo que nós investigamos e constatamos até hoje, Gado Bravo sofreu um prejuízo da ordem de mais de “300 mil reais” (entre 2009 e final de 2014). Com as buscas realizadas hoje, com a análise de todo o material, a perspectiva é de que o montante desviado chegue a “um milhão de reais”.
NÃO EXISTEM PROVAS CONTRA O PREFEITO
“Pelo que foi investigado não se chegou, não se teve indícios suficientes que indicasse a participação do prefeito em todo esse esquema. Tudo era feito debaixo das barbas do prefeito, mas pelo que se investigou até hoje, não se tem conhecimento do envolvimento dele”.
GADO BRAVO VAI SER RESSARCIDA
“Com a eclosão da operação de hoje e após terminar a investigação (concluir os procedimentos) a gente vai encontrar meios para buscar dessas pessoas o ressarcimento. O dinheiro pertence a Gado Bravo”.
A PARTICIPAÇÃO DE UM VAQUEIRO NO DESVIO
“Foi algo emblemático. O vaqueiro foi ouvido por nós e a todo tempo negou que possuísse um restaurante. o Curioso é que em 2012, o ano em que mais restaurante lucrou, foi justamente o ano em que o vaqueiro estava no Rio de Janeiro trabalhando de pedreiro. Neste ano o restaurante faturou “100 mil reais”. Na época o vaqueiro estava no rio trabalhando de carteira assinada”.
A DEFESA DOS PRESOS
O advogado Guilherme Moura, que representa os três presos  disse em entrevista que está se inteirando das acusações.
"São acusações graves, mas temos que nos inteirar da situação. Temos que analisar com caultela. Faremos a defesa e tudo será esclarecido".

Nenhum comentário:

Postar um comentário