Menu

domingo, 31 de janeiro de 2016

CAMPINA GRANDE TEVE PERDA DE 3.700 VAGAS DE EMPREGO EM 2015

O desemprego em Campina Grande está deixando os trabalhadores preocupados neste início de 2016.
Segundo um levantamento feito pelo Cadastro de Empregados e Desempregados do Ministério do Trabalho, no ano de 2015, na cidade paraibana, houve  mais demissões do que admissões.
De janeiro a dezembro, a cidade teve 20.496 admissões contra 24.227 demissões, ocasionando a perda de 3.731 postos de trabalho no setor formal da economia.
Conforme o levantamento divulgado, as áreas mais atingidas com dispensas foram as de construção civil, com queda de 1.609 no número de vagas, seguida por serviços, que teve queda de 1.203, e indústria, com menos 862 postos.
No mesmo período de 2014 a situação foi oposta, pois a cidade registrou crescimento dos empregos formais, com 22.538 contratações contra 20.083 desligamentos, resultando no saldo positivo de 2.455 vagas.
O comércio varejista também fechou o ano com saldo negativo de 49 vagas.
De acordo com os dados, no setor 3.498 trabalhadores foram contratados e 3.547 perderam seus empregos, ao longo de 2015. A maior parte das demissões neste setor foi para as vagas de vendedor (639), seguida de operador de caixa (326).
Ao falar sobre a perda de vagas no comércio, a vice-presidente da Câmara Dirigente dos Lojistas de Campina Grande (CDL-CG) Rosália Lucas, disse que buscar economia criativa pode ser alternativa.
“O setor que mais demitiu foi o da construção civil, seguido de serviços, indústria e comércio. Essa perda no comércio afeta a economia da cidade, pois tivemos uma perda muito grande do poder de compra do consumidor. A gente orienta que as pessoas que perderam o emprego, busquem a economia criativa, neste momento. Estamos percebendo que o Food Truck é uma forma criativa que já está sendo adotada”, disse ela.
Ainda segundo os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados pelo Ministério do Trabalho, o número de demissões registradas na Paraíba superou o número de contratações em 15.201 vagas formais no ano de 2015.
Esta é a primeira vez em 12 anos que o estado registra mais demissões do que contratações.
Segundo o cadastro, a última vez que havia acontecido este registro foi em 2003, quando 866 pessoas foram demitidas a mais do que as que foram contratadas.
Em 2014, foram criados 16.326 empregos com carteira assinada no estado.
(g1pb)

Nenhum comentário:

Postar um comentário