Menu

terça-feira, 9 de agosto de 2016

POLICIAL SE VESTE COM “CALÇA DE ONCINHA” PARA PRENDER ACUSADO DE ESTUPROS EM CAMPINA GRANDE

Geraldo Ferreira, desempregado, 24 anos, morador do Bairro Santa Rosa, em Campina Grande, foi preso em caráter temporário por policiais da Delegacia da Mulher, em um bar, no último final de semana.

Ele é acusado de estupros entre o Distrito de Catolé de Boa Vista e o sítio “Estreito”.
Pelo Menos cinco vítimas reconheceram o acusado, informou a polícia civil.
Para prendê-lo, uma policial se passou por uma mulher interessada em conhecê-lo.
Ela se vestiu com roupas extravagantes, inclusive com “calça de oncinha” para chamar a atenção do acusado.
A última vítima dele, segundo a polícia, foi uma adolescente num assentamento em Catolé.
O acusado negou todas as acusações.
Pesa contra ele também, a suspeita de assaltos.
O CASO
Nos últimos trinta dias a polícia estava investigando denúncias de estupros no distrito.
Cerca de dez dias atrás um estupro ocorreu num assentamento.
“O estuprador chegou numa casa, em uma moto, perguntando por um endereço. Ele estava armado. Na residência estavam uma adolescente o irmão dela e a mãe da vítima. O irmão e a mãe foram amarrados e a adolescente foi levada para um local e lá foi estuprada”, informou a delegada Socorro Fausto.
A policial afirmou que “Após o crime ele voltou pela zona urbana de Catolé de Boa Vista. Uma câmera registrou a placa da moto. A partir daí começamos a obter mais subsídios. Localizamos o endereço do dono da moto. Localizamos o facebook do acusado e fomos juntando peças”.
A delegada Socorro Fausto informou também que “a reação de uma das vítimas ao reconhecer o acusado, foi extremamente dolorosa”.
Outro caso, ao qual ele é acusado, acrescentou a delegada,  diz respeito a um estupro contra uma mulher que estava com a irmã e uma criança.
“Ele ofereceu carona e em determinado momento rendeu as vítimas, obrigou uma das mulheres a praticar sexo oral. A outra irmã desmaiou”.
COMO FOI O RECONHECIMENTO
Após ele ser preso as vítimas foram informadas e levadas à delegacia.
Junto com quatro homens o acusado foi colocado no setor de reconhecimento.
Todas foram unânimes em apontar Geraldo.
As vítimas ficaram protegidas e ele não pode vê-las.
Como durante os atos de estupro o acusado chegava a pronunciar alguns termos, a polícia também solicitou que os quatro homens e Geraldo pronunciassem esses termos ouvidos pelas vítimas.
E novamente elas foram unânimes: o acusado foi reconhecido pela voz. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário