sexta-feira, 24 de março de 2017

COMERCIANTE CAMPINENSE ACUSADO DE ENVOLVIMENTO COM EXPLOSÔES DE BANCOS É PRESO EM BANANEIRAS

(Atualizado)
Foi preso na noite desta quarta-feira (22/03) em Bananeiras, no Brejo paraibano, um comerciante campinense que, de acordo com a PC, está envolvido com crimes de explosões de bancos na Paraíba e em Pernambuco.

Investigações da Delegacia de Roubos e Furtos em Campina Grande identificaram que um arsenal de armas apreendido em Barra de Santana, no dia 25 de novembro de 2016, pertence ao comerciante do ramo de revenda de gás de cozinha.
Contra Erivaldo Nascimento, de 39 anos, foi expedido um Mandado de Prisão Preventiva.
De acordo com o delegado Cristiano Santana, da DRF, ele seria um dos líderes de uma quadrilha envolvida com explosões de caixas eletrônicos e cofres.
O policial durante entrevista coletiva na tarde desta quinta-feira disse que a empresa de gás funcionava como uma espécie de fachada.
O comerciante foi autuado por furto qualificado, associação criminosa e uso de documento falso.
O grupo agia na Paraíba e em Pernambuco.
Foram realizadas, nesse período, várias diligências e exames periciais, constatando-se que as armas apreendidas, dentre elas, diversos fuzis, inclusive de fabricação russa, serviam a uma quadrilha especializada em ataques a caixas eletrônicos”, destacou Cristiano.

A apreensão do arsenal foi realizada por policiais da 3ªCIPM/Boqueirão.
A prisão do comerciante foi uma ação de policiais civis da 21ªDSPC/Solâneia e de militares da 7ªCIPM.
De acordo com o delegado Diogenes Fernandes, ele estava escondido num condomínio na zona rural de Bananeiras e ainda teria tentado fugir.
Ruth Oliveira, advogada do comerciante, em entrevista concedida a Patrulha da Cidade/TV Borborema, afirmou que o carro em que as armas foram encontradas não mais pertencia ao seu cliente, porém o veículo ainda estava no nome dele.
"Na verdade a polícia está trabalhando com suposições. Se olharmos o processo, não há provas. O veículo ainda está no nome dele, mas foi vendido. O veículo foi apreendido com o arsenal e devido à essa apreensão, estão fazendo esta ligação, mas nós vamos provar que essas informações não procedem. Ele não é dono de arsenal de arma. Nada disso! Ele não tem nada a ver com esse crime", disse Ruth Oliveira.
ENTENDA O CASO

Policiais da 3ªCIPM/Boqueirão apreenderam na madrugada do dia 25 de novembro um arsenal que se destaca pelo poder de fogo das armas apreendidas, pela quantidade de munições e  explosivos, além de outros materiais.
Tudo seria utilizado para a explosão de cofres e caixas eletrônicos de agências bancárias ou agências dos Correios na Paraíba, disse a PM.
A apreensão ocorreu no sítio "Pedra D´água", em Barra de Santana, no Agreste.
Guarnições realizavam rondas e uma delas visualizou um Range Rover e uma caminhonete S10.

Os veículos estavam sendo conduzidos por um morador de Campina Grande, e um morador de Taquaritinga do Norte, em Pernambuco.
Durante a abordagem foram encontrados dentro do Range Rover: seis fuzis, uma submetralhadora, cinco pistolas, 1.000 munições de vários calibres, nove coletes balísticos, detonadores, 29 “bananas de dinamite” (prontas para serem usadas), alicates, marretas, roupas de palhaço entre outros.
Na picape a guarnição do Tenente Felipe, soldados Borba e Jesus encontrou ainda 18 baldes com grampos.

De imediato foi realizada uma varredura na região.
Nas imediações de uma casa também foram apreendidos um veículo Celta e uma moto.
A polícia credita que três pessoas fugiram depois da chegada das guarnições comandadas pela capitã Luciana Firme, comandante da 3ªCompanhia.
O Serviço de Inteligência da 3ª Companhia já vinha investigando. Estávamos praticamente numa campana permanente. Sabíamos que mais cedo ou mais tarde chegaríamos a um flagrante”, disse a capitã.
Ainda de acordo com a policial, os condutores dos veículos encontraram argumentos frágeis para justificar o transporte do material.
Eles informaram que receberam dinheiro de alguém, para fazer uma entrega, mas não sabiam de que se tratava”.
O caso ficou sob a responsabilidade da polícia judiciária (DRF/Campina Grande, o GOE/João Pessoa e a 11ªDSPC).
Já se sabe, por exemplo, que a maioria das armas apreendida na tem origem tcheca e americana.
A capitã Luciana Firme acrescentou que com certeza esta foi a maior apreensão de armas do estado.

8 comentários:

  1. Que reportagem enigmática é essa, Renato Diniz?! Cadê os nomes e fotos dos envolvidos?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É SEMPRE ASSIM, AMIGO. ELE ESCONDE OS NOMES. DEVEM SER CONHECIDOS DELE. QUE VERGONHA, NÃO É MESMO ? ÊTA, JORNALISTA APRUMADO !!!!

      Excluir
    2. so erivaldo nascimento de 39 amos teve o nome divulgados e os outros?

      Excluir
  2. cadê há foto DO cara Renato Diniz???

    ResponderExcluir
  3. a minha opinião e que os bandidos que dinheiro pagam muito caro para que as fotos deles não sejam divulgada na midia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. SE ESCONDENDO ATRAS DO ANONIMATO É FACIL FALAR NÉ . SABIA QUE ESSA TUA ACUSAÇÃO É GRAVE E PASSIVEL DE UM PROCESSO .

      Excluir
  4. só sair as fotos dos lascado pé de chinelo que rouba celular

    ResponderExcluir
  5. As vezes a policia não deixa divulgar foto devido investigação, pode ter outros envolvidos!

    ResponderExcluir