quarta-feira, 12 de abril de 2017

ACUSADA DE MATAR QUATRO PESSOAS ENVENENADAS EM ITABAIANA É PRESA PELA PC

A Polícia Civil da Paraíba apresentou, durante coletiva em Campina Grande, na tarde desta terça-feira (11/04), agricultora Vânia Maria da Silva, 44 anos, moradora do sítio “Cariatá”, em Itabaiana, no Agreste paraibano.
Ela é acusada de  utilizar veneno de matar rato para assassinar uma mulher, uma adolescente e duas crianças entre dezembro de 2016 e março deste ano.

Durante coletiva, o delegado Seccional de Itabaiana, Felipe Castellar, informou que as investigações foram iniciadas a partir do dia 19 de fevereiro, após as mortes das crianças, e a polícia desconfiou de que seria uma coisa provocada e planejada.
(Redação com Secom)
A agricultora Vânia Maria da Silva, 44, tinha laços de amizade com a mulher e três crianças mortas por envenenamento, teve contato com elas e estava nas “cenas dos crimes”, no sítio “Cariatá”, em Itabaiana.
A revelação foi feita pelo delegado Felipe Luna Castelar.
Ela foi presa por determinação da juíza Anderley Ferreira Marques, da 1ª Vara de Itabaiana, e foi transferida para o Presídio Feminino, em João Pessoa.
Pessoas ouvidas pela Polícia Civil relataram que a senhora Vânia Maria da Silva esteve nos locais onde as pessoas ingeriram os alimentos envenenados. Em alguns casos, ofereceu o alimento”, explicou o delegado, que estava acompanhado de Raquel Azevedo, chefe do Núcleo de Laboratório Forense.
De acordo com Felipe Castelar, com as vítimas foi utilizado o mesmo modus operandi e todas tiveram contato com a suspeita antes de morrerem, apresentando sintomas como: cegueira, náuseas, vômitos e dificuldade de respiração e equilíbrio, entre outros.
Os laudos do Instituto de Polícia Científica (IPC) confirmaram a presença de veneno para ratos, conhecido como chumbinho, nos corpos das vítimas.
MADRINHA

Segundo o delegado, Vânia Maria era madrinha de Letícia Firmino de Sousa, 12 anos. 
Felipe Castelar disse que Letícia passou mal no dia 6 de março de 2017, após comer um biscoito dado pela agricultora. 
Ela morreu no dia 10, no Hospital de Emergência e Trauma de Campina Grande.
Vânia deu o biscoito envenenado a irmã de Letícia que achou o sabor ruim e entregou o alimento a Letícia, que depois veio a falecer”, detalhou o policial.
ANIVERSÁRIO
Samuel Alexandre da Silva, 6 anos, faleceu no dia 25 de fevereiro de deste ano no Hospital Público de Itabaiana.
De acordo com a Polícia Civil, Vânia Maria doou alimento envenenado a Samuel, no dia do aniversário dele.
Outra vítima foi Ana Gabriele Evangelista da Silva, 9 anos, que morreu no dia 19 de fevereiro também no hospital de Itabaiana.
A agricultora era amiga das famílias das crianças mortas.
MORAVA EM CASA
Após investigar os três casos das crianças, a Polícia Civil passou a apurar a morte de Ana Maria Dias, 20 anos, falecida em 10 de dezembro de 2016, em Itabaiana.
A vítima morava na residência da agricultora Vânia Maria.
NEGATIVA DE AUTORIA
Vânia Maria não quis prestar depoimento no inquérito policial. Na Central de Polícia, durante a entrevista coletiva, ela passou todo o tempo de costa e com as mãos no rosto sem apresentar nenhuma reação.
O seu advogado Rômulo Bezerra nega a autoria do crime.
Dona Vânia nega veementemente que tenha cometido tal crime, inclusive é preciso que a sociedade e imprensa não antecipem o julgamento das coisas. Você só é condenado após uma condenação transitada em julgado. Dona Vânia terá direito a ampla defesa e ao contraditório, onde será arguida a sua tese de negativa de autoria. Há evidências, mas não há provas concretas para incriminá-la”, afirmou o advogado. Rômulo disse que Vânia Maria não tinha problemas psicológicos, mas o delegado Felipe Castelar disse que pediu um exame de sanidade mental dela.
(Josusmar Barbosa/Jornal da Paraíba)

3 comentários:

  1. CADEIA NESSA ASSASSINA PRA MIM ESSA CARINHA DE CULPADA JÁ ENTREGA LÁ.SÊ ESSA COISA É LOUCA OU NÃO EU NÃO QUERO SABER Ó QUÊ EU QUERO É QUÊ ELA PAGUE PELOS CRUÉIS É COVARDES CRIMES QUE COMETEU.

    ResponderExcluir
  2. Chega logo 2018 bolsanaro presidente legaliza a pena de morte

    ResponderExcluir