domingo, 16 de abril de 2017

É VISÍVEL O SILÊNCIO DAS RUAS EM RELAÇÃO A LAVA JATO, DIZ CIENTISTA POLÍTICO


Professor de Ciência Política da PUC-RJ, Luiz Werneck Vianna avalia que as delações da Odebrecht têm tido repercussão muito maior na imprensa do que nas casas dos brasileiros.

"É visível o silêncio das ruas em relação a tudo isso", afirma Vianna, que já lecionou na Unicamp e na Universidade Federal de Juiz de Fora e é autor de livros como A judicialização da política e das relações sociais no Brasil (1999) e Democracia e os três poderes no Brasil (2002).
Para ele, a abertura de investigações contra dezenas de líderes partidários citados pela empreiteira abre espaço para outsiders na política, mas não deve provocar transformações tão radicais em Brasília.
Em entrevista à BBC Brasil, ele afirma que grandes partidos abalados pelas delações - como PT, PSDB e PMDB - deverão passar por uma renovação, mas continuarão relevantes.

Leia a seguir os principais trechos da entrevista:

BBC Brasil - Quais consequências às delações da Odebrecht terão para o governo?
Luiz Werneck Vianna - O governo Temer deve sobreviver - acho que ele deve cumprir o seu mandato. 
E deve também fazer as reformas com as quais vem se identificando. 
O apoio do Congresso continua forte.
BBC Brasil - A forma como a política é feita vai mudar? Haverá mudanças na relação entre partidos e empresas?
Vianna - Isso certamente vai sofrer uma mudança radical. 
Mas não creio que esse expurgo da classe política assuma a mesma proporção que assumiu na Itália [após a Operação Mãos Limpas, nos anos 1990].
Vai ser forte, mas não com a radicalidade da situação italiana. 
Acho muito difícil que partidos mais enraizados, como PT, PSDB e PMDB, saiam do mapa. 
Acho que eles ficarão, porque inclusive fora deles não há nada de novo surgindo.
BBC Brasil - Novos partidos, como Rede, PSOL e Partido Novo, não são capazes de preencher espaços?
Vianna - Dificilmente. Eles não têm quadros, não têm programa. 
O PSOL é muito parecido com o que o PT foi em determinado momento, com a denúncia da corrupção e [a defesa da] ética na política. 
Mas qual o programa econômico do PSOL?
BBC Brasil - Com a crescente rejeição popular à política tradicional, há possibilidade de surgimento de outsiders ?
Vianna - O outsider é uma possibilidade real - para o bem e para o mal.
Tem vários tentando furar esse nevoeiro e se projetar como alternativa. 
Por ora, nenhum deles é muito atraente.
BBC Brasil - Haverá algum esforço dos grandes partidos para estancar danos?
Vianna - Acho que sim, a reforma política vem aí. 
Não vem de forma muito aprofundada porque as circunstâncias não permitem.
A cláusula de barreira deve vir, assim como a interdição das coligações eleitorais nas eleições proporcionais.
Isso já tem um efeito muito saneador do quadro atual.
BBC Brasil - Na história brasileira, momentos de grande turbulência - como as revoltas do século 19 - se intercalam com momentos de acomodação de interesses e transições pacíficas, como na Independência. Qual característica vai predominar na crise atual?
Vianna - A grande massa, por ora - e isso pode mudar -, está apenas sentindo e observando de longe esses fatos.
Esses fatos têm tido muito peso, muita vocalização na mídia.
Uma coisa que se tem de considerar na política brasileira hoje é que a mídia se tornou ator político de peso considerável, mas ela não tem braço, não tem mãos.
Tem apenas voz.
Não tivemos ainda as crises da Regência [período de grande turbulência entre a abdicação de dom Pedro 1º e o governo de seu filho, Pedro 2º].
Elas (as pessoas) não estão se manifestando. 
É visível o silêncio das ruas em relação a tudo isso.
Mas os partidos, as personalidades políticas sobreviventes podem procurar um caminho de salvação mútua.
Isso está em curso. 
Será possível?
Não sei, dependerá da habilidade e criatividade deles e, ao mesmo tempo, de que aceitem perdas.
Esses partidos não poderão mais ser o que eram, vão ter que passar por mudanças.
Haverá uma renovação de pessoas.
Não talvez com a carga necessária, porque se se olha toda movimentação que tem havido, há pouquíssimos quadros novos. 
Não surgiu quase ninguém [com os protestos] em junho de 2013.
A política brasileira tem sido muito pouco permeável a novas lideranças.
Essa hora poderá ser a da grande mudança geracional?
Tomara, mas depende de como vem essa geração.
Porque, a tomar por algumas manifestações, elas não suscitam muita esperança.
BBC Brasil - O grande público não está tão abalado pelos acontecimentos?
Vianna - Se olharmos o registro das ruas, acho que não.
BBC Brasil - Como a situação atual se compara com outros grandes momentos da história brasileira?
Vianna - Certamente tudo isso vai ser lembrado.
Agora, o que temos de novo aí?
Primeiro o protagonismo da mídia.
Segundo, do Judiciário.
Ambos parecem que vieram para ficar. 
Mas a política deve reagir a isso.
O Brasil é muito grande.
É muito diverso.
É muito difícil haver formas muito vertebradas de expressão, no sentido de que unifiquem classes e regiões, dada a diversidade e a desigualdade existentes.
(BBCBRASIL.COM)

Nenhum comentário:

Postar um comentário