domingo, 16 de abril de 2017

PT E PSDB AMAVAM ODEBRECHT ENQUANTO FANÁTICOS SE ODIAVAM EM PRAÇAS PÚBLICAS


Por Josias de Souza*
PT e PSDB monopolizam as eleições presidenciais no Brasil há mais de duas décadas.
Com o passar do tempo, as disputas foram adquirindo um quê de briga de pátio de colégio.
Na sucessão de 2014, a coisa descambou.
O tucanato dizia que o petismo roubara no mensalão e no petrolão.
E o petismo respondia que o tucanato é que assaltara no mensalão mineiro e no escândalo dos trens paulistas.
De repente, os delatores da Odebrecht esclarecem que os dois lados têm razão.
E os torcedores fanáticos, que pareciam dispostos a matar e morrer por uma honra inexistente, percebem que fizeram papel de bobos.
Não sabem onde enfiar o ódio que estocaram para alimentar suas lacraias interiores.
Há dois anos e meio, quando Dilma foi reeleita, Aécio era o principal líder da oposição e Lula se jactava de ter dado à luz um poste pela segunda vez — algo nunca antes visto na história do país.
Hoje, Dilma é matéria-prima para Sergio Moro, Aécio divide com o notório Jucá o título de campeão de inquéritos da lista de Fachin e Lula nunca esteve tão próximo da cadeia.
Legenda de um líder só, o PT está no brejo sem cachorro.
Com Alckmin e Serra no mesmo pântano, o PSDB ficou num mato com João Doria.
O tucanato, incorporado ao governo de Michel Temer, virou força auxiliar de um apodrecido PMDB.
O PT, devolvido à oposição, derrete como sorvete exposto ao sol.
A lição primeira da hecatombe produzida pela colaboração da Odebrecht deveria ser a de que todas as premissas sobre as quais o eleitor brasileiro construiu as suas ilusões políticas depois da redemocratização do país precisam no mínimo pegar um pouco de ar.
Para que o desastre servisse de aprendizado, seria preciso que os brasileiros se convencessem de que a industrialização do ódio pior do que uma sandice, é um erro.
A maluquice se apaga com o esquecimento.
O erro exige reflexão e correção.
Enquanto os fanáticos se odiavam em praça pública — ou nas redes sociais, que muitos acreditam ser a mesma coisa — petistas e tucanos amavam a Odebrecht no escurinho do departamento de propina da empreiteira.
Parte da torcida ainda tenta fechar os olhos para a realidade.
Mas está cada vez mais difícil.
Os 78 delatores da Odebrecht azucrinam os fanáticos em toda parte.
Eles estão na tevê, no rádio, na internet, no jornal, na revista…
E não adianta ignorar o noticiário.
A voz de Marcelo Odebrecht pode invadir o grupo da família no aplicativo do celular, exigindo uma reação do fanático.
Pode ser uma cara de nojo.
Há também a opção de continuar enxergando a democracia como o regime em que as pessoas têm ampla e irrestrita liberdade para exercitar a sua capacidade de fazer besteiras por conta própria, tratando a eleição como uma loteria sem prêmio e encarando o voto como um equívoco que pode ser renovado de quatro em quatro anos.
De resto, aqueles que preferem odiar alguém a amar o país, podem odiar-se a si próprios.
Como diria Nelson Rodrigues, um dia o sujeito acaba arrancando a própria carótida e chupando o próprio sangue, como um vampiro de si mesmo.
(BLOG DO JOSIAS/ Josias de Souza/ JOSIASDESOUZABLOGOSFERAUOL.COM.BR)
*Josias de Souza é jornalista desde 1984.
Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961.
Trabalhou por 25 anos na ''Folha de S.Paulo'' (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista).
É coautor do livro ''A História Real'' (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República.
Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de ''Os Papéis Secretos do Exército''.

Nenhum comentário:

Postar um comentário