quinta-feira, 29 de junho de 2017

AVIÃO COM COCAÍNA NÃO DECOLOU DA FAZENDA DE BLAIRO MAGGI, DIZ PF

A Polícia Federal analisou o GPS do avião interceptado pela Força Aérea Brasileira (FAB) em Jussara (GO) no domingo (25/06) e concluiu que o bimotor não decolou da Fazenda Itamarati Norte, em campo Campo Novo do Parecis (MT), pertencente ao grupo Amaggi, do ministro da Agricultura, Blairo Maggi.

A informação da origem da aeronave havia sido divulgada pela própria FAB no domingo.
Na segunda-feira 26, após a revelação de que a propriedade pertencia ao ministro, a FAB emitiu uma segunda nota na qual dizia que a fonte da informação era o piloto da aeronave, interrogado no ar pelo militar que o interceptou.
A Polícia Federal informou à TV Anhanguera, filiada da TV Globo em Goiás, que a aeronave saiu de Cuiabá às 04h00 de domingo 25 e chegou à Bolívia às 06h40.
Ainda segundo a corporação, o avião decolou uma hora depois com destino a Jussara, onde foi interceptado pela FAB.
Ainda segundo a TV Anhanguera, o piloto da aeronave, identificado como Apoena Índio do Brasil Siqueira Rocha e que está preso, disse ter mentido sobre o plano de voo ao ser interrogado enquanto voava.
Segundo Apoena, ele receberia “90 mil reais” pelo transporte da droga.
Fabiano Júnior da Silva Tomé, copiloto de Apoena e também preso, disse ser o proprietário da aeronave.
Ele afirmou que comprou o bimotor por “500 mil reais” em 26 de maio e que receberia “40 mil reais” para fazer o transporte da cocaína.
Uma consulta pela matrícula do avião no sistema do Registro Aéreo Brasileiro (RAB), da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), mostra que a aeronave pertence a Jeison Moreira Souza.
Em nota oficial divulgada na segunda-feira, a Amaggi, do ministro Blairo Maggi, negou ter qualquer relação com a aeronave e afirmou que não emitiu autorização de pouso ou decolagem para a mesma.
Além disso, argumentou que a região de Campo Novo do Parecis é "vulnerável à ação de grupos do tráfico internacional de drogas, dada a sua proximidade com a fronteira do estado de Mato Grosso com a Bolívia" e que já auxiliou a Polícia Federal em uma ação similar em outra fazenda da região.
Na noite de terça-feira 27, Blairo Maggi celebrou o depoimento dos pilotos.
"Sobre o caso do avião, é lamentável ter passado por um vexame público desnecessário. Agradeço aos que apoiaram a mim e a Amaggi! Obrigado!", escreveu o ministro pelo Twitter.
(Por Carta Capital)

Nenhum comentário:

Postar um comentário