quinta-feira, 31 de agosto de 2017

UM TEMPLO CATÓLICO NO COMPLEXO ALUÍZIO CAMPOS

Os católicos que vão residir no Complexo Habitacional Aluízio Campos, em Campina Grande, vão contar com uma igreja.
O prefeito Romero Rodrigues visitou na manhã desta quarta-feira (30/08), ao lado  um grupo de autoridades eclesiásticas, lideranças políticas e engenheiros da Construtora Rocha, responsável pela obra, o local do futuro templo.
Entre os líderes religiosos, participaram da comitiva os padres Luciano Guedes (pároco da Catedral), Aparecido Camargo (administrador diocesano), João Paulo Victor (pároco de Esperança) e o José Benedito Reis (pároco do Ligeiro). 
Ainda acompanharam a visita o vereador Pimentel Filho e o coordenador da comunidade Pio X, Gustavo Lucena, entre outras lideranças.
De acordo com o padre Luciano Guedes, a comunidade católica recebe com muita alegria o terreno para a edificação deste templo, sobretudo porque é localizado num novo núcleo habitacional destinado ao povo campinense.
A construção do novo templo vai representar, em Campina Grande, o surgimento de uma nova paróquia, cuja denominação deverá receber o nome de São João Paulo II, em homenagem a um dos maiores papas da história da Igreja Católica. 
Além do templo católico, no seu entorno haverá ampla área para estacionamento e também um espaço adequado para a realização de encontros de casais com Cristo.
De acordo com o prefeito Romero Rodrigues, toda nova cidade que é edificada, sendo este praticamente o caso do Aluízio Campos, tem como marco inicial a construção de uma igreja. 
"No caso do Aluízio Campos, aqui teremos uma população de 20 mil habitantes, os quais vão receber a assistência espiritual dos católicos e pessoas de outros credos religiosos, daí a importância deste novo tempo de nossa cidade, espaço apropriado para a realização dos mais diversos eventos e celebrações religiosas"
O prefeito Romero Rodrigues foi contemplado ao final do encontro com o recebimento de relíquias de segundo grau da Beata Elena Guerra, trazidas de Lucca (Itália), além de porta-bíblia e um chaveiro das "Oblatas do Espírito Santo".
(Redação com assessoria)

2 comentários:

  1. Deve fornecer o mesmo para as demais religiões existentes em Campina ou então se aplica o estado laico.

    ResponderExcluir