sexta-feira, 27 de outubro de 2017

MORRE O MÉDICO PEDIATRA Dr. VIRGÍLIO BRASILEIRO. LEIA AS HOMENAGENS DOS DRs. EDMUNDO GAUDÊNCIO E RAFAEL HOLANDA

Morreu na tarde desta quinta-feira (26/10) no Hospital Santa Clara, em Campina Grande, o médico pediatra Dr. Virgílio Brasileiro.
Dr. Antônio Virgílio Brasileiro, de 81 anos, deu entrada na Santa Clara em estado grave, após um trauma crânio-encefálico, na manhã da última quinta-feira (19).
O filho dele, Dr. André Brasileiro, confirmou a morte em sua página no facebook. 
Dr. Virgílio deixa um legado de amor à profissão e ao ser humano.
Um homem nobre em todos os sentidos.
Anos atrás, por duas vezes, tive a honra de entrevistá-lo.
Creio que é quase impossível determinar o número de crianças que tiveram a honra de serem consultadas pelo Dr. Virgílio.
Eu, minha mulher, minhas irmãs e meu filho tivemos este momento.
Sobre o Dr. Virgílio, escreveu o psiquiatra Edmundo Gaudêncio em sua página  no facebook:
 Cuidar de Anjos (*)
Caro Amigo Virgílio.
Considerando o respeito e a amizade que lhe tenho, exponho-lhe o problema: vários casos de sarampo entre meus meninos. Diante disso, peço-lhe, encarecidamente, que me venha ajudar: não sei cuidar de anjo doente. Espero-o de braços abertos. Deste que escreve certo por linhas tortas, Deus.
(*)-É assim que vejo a ausência de Meu Grande Amigo: Antônio Virgílio Brasileiro-Silva, Pediatra, não morreu. 
Viajou a trabalho e a serviço de Deus: Foi cuidar das crianças do Céu como cuidou dos Anjos da terra. 
Um Enorme Abraço, Mestre. 
Edmundo Gaudêncio.
O neurocirurgião Rafael Holanda também homenageou Dr. Virgílio em sua página no facebook:
“Dr. Virgílio Brasileiro.
A tristeza mais uma vez bate a minha porta para dizer que o ilustre colega, pediatra de varias gerações, partiu para os campos do Senhor, deixando uma comunidade órfã.
Dr. Virgílio era mão abençoada, sossego de tempestade que o próprio silêncio gostava de ouvir, nas infinitas cólicas dos lactentes, só a sua voz era capaz de se transformar em terapêutica, fazendo com que as lágrimas da mãe em desespero, fossem consoladas.
Por suas mãos, o sossego da noite se tornou paz em muitos lares, por sua sabedoria a tristeza da noite se fazia dia, para pequenos que nos cansaços se perdiam em cansaços, mas retornavam para casa curada.
Era de fino trato, a sua voz mansa espelhava em versos canções de orações que muitos gostavam de escutar, não media distância para encontrar onde o grito da dor se fazia voz e de forma educada emprestava seu conhecimento quem em vida já teoricamente se encontrava perdida.
Fazia de sua medicina um oráculo, e por suas mãos abraçou o sacerdócio de consolar o inconsolável, e muitas das vezes se transformou em lenço para enxugar as lágrimas da saudade.
Era homem bom, esperança divina na mente dos que gemiam um deus na sua forma finita capaz de buscar pelos caminhos desencontrados da vida a divisão de paz para abençoar aquele que necessitava da ajuda.
Não passou pela estrada dos cifrões, e de forma simples compreendeu que o riso era maior que a moeda, e a saúde sua alegria.
Dr. Virgílio parte levando consigo uma longa historia, deixando impregnado aqui as suas passadas, seus exemplos que servirão de modelo para os que estão chegando e os que um dia virão.
Que todos aceitem esta pequena homenagem como forma de oração e se lembrem deste grande homem nas suas preces, pois a saudade será eterna.
Rafael Holanda.

2 comentários:

  1. uma pena essa perda o dr Virgílio vai fazer muita falta sem dúvida ele foi 1 profissional competente é exemplar....minha mãe disse que me levou pra ele quando eu era pequeno é ela só rasgou elogios há ele.
    que deus o tenha é conforte sua família nesse momento sempre muito dificil.

    ResponderExcluir
  2. Médicos como ele tá difícil de encontrar. A maioria rasgou o juramento e só pensa em cifras.

    ResponderExcluir