terça-feira, 19 de dezembro de 2017

POLÍCIA CIVIL APURA DESVIO DE 15 MILHÕES DE REAIS EM CONDOMÍNIO DE LUXO

A Polícia Civil da Paraíba, através da Delegacia de Defraudações e Falsificações de João Pessoa,  deflagrou na manhã desta terça-feira  (19/12), a 1ª fase  da Operação Maresia que apura suposto golpe na construção de um condomínio de luxo. 

O desvio é estimado em "15 milhões de reais".
De acordo com DDF, as investigações tiveram início havia mais de três meses quando diversas vítimas procuraram a delegacia com diversa documentação  indicando que um empreendimento de luxo vinha sendo negociado havia mais de cinco anos,  já tendo sido vendidos mais de 300 lotes no Brasil e no exterior, sem que nada fosse construído até a presente data.
Um dos principais responsáveis pelo empreendimento mora na Inglaterra e os demais sócios e administradores paraibanos, passaram a apresentar diversas desculpas para o descumprimento das obrigações.
Ainda assim, o empreendimento continuava a ser negociado em João Pessoa e em sites do exterior, mesmo com nenhuma construção em andamento.
Cada vítima investiu pelo menos "40.000,00 reais" mas algumas pessoas chegaram a investir mais de "300 mil reais", confiando no empreendimento.
A Polícia Civil já conseguiu acesso a documentos, como registros de movimentações bancárias. 
A 1ª fase da Operação Maresia  tem como objetivo principal o cumprimento a 3 mandados de busca e apreensão, nos endereços obtidos pela DDF – sede principal da empresa e endereços pessoais de um administrador.
Todo o material será encaminhado para a Justiça, para a devida análise com o restante da documentação já obtida.  
A DDF já ouviu dezenas de vítimas do empreendimento e alguns dos principais suspeitos já foram interrogados. 
As investigações serão desenvolvidas no sentido de comprovar o desvio fraudulento dos valores negociados, identificar e responsabilizar todos os beneficiados pelo esquema milionário e no sentido de rastrear e bloquear todos os bens disponíveis, para que as vítimas sejam ressarcidas pelos prejuízos acusados.
(MaisPB)

Nenhum comentário:

Postar um comentário