quinta-feira, 28 de junho de 2018

PC PRENDE TRIO ACUSADO DE MATAR E ROUBAR APOSENTADO


Uma trama diabólica com objetivo de roubar uma grande quantia em dinheiro.
É dessa maneira que a polícia define o latrocínio que teve como vítima o agricultor aposentado José Amorim de Oliveira, de 79 anos, conhecido como “Zé Gago”.

O crime aconteceu por volta das 05h00 do dia 18 de junho na chácara da vítima, na cidade de Remígio.
“Zé Gago” foi amarrado, agredido e morto por asfixia.
Três acusados foram presos: Luciano Belo Delfino, que trabalhava num lava a jato por trás da chácara de “Zé Gago”, Ecildo Ferreira Cândido e a companheira dele, Genúbia Oliveira Santos.
(José Amorim: "Zé Gago")
O delegado seccional de Esperança e região, Danilo Orengo, concedeu entrevista a Patrulha da Cidade/TV Borborema sobre o caso.
As equipes estavam empenhadas em desvendar este crime. Tivemos cinco pessoas envolvidas diretamente na cena do crime. Duas pessoas que participaram foram presas e outra que deu suporte também foi presa”, contou Orengo.
O delegado também deu detalhes da trama.
Os acusados imaginavam que “Zé Gago” tivesse contraído um empréstimo de “50 mil reais”.
Seu ‘Zé Gago’ comentava nos bares que tinha pedido empréstimos, que estava com dinheiro, que tinha armas em casa e estas informações chegaram, lamentavelmente, aos ouvidos dessas pessoas (criminosos) que planejaram assalto à residência da vítima. E durante o assalto, lamentavelmente, a vítima veio a óbito”.
Orengo também falou sobre a ação dentro da chácara.
Membros do grupo, inclusive são de João Pessoa.
Foi uma ação planejada. Os assaltantes chegaram a cidade de Remígio no domingo (dormiram em Remígio do domingo para a segunda) e na segunda-feira logo cedo se reuniram e se dirigiram até a residência da vítima. Inicialmente (‘Zé Gago’) foi imobilizado e percebendo que ele não estava colaborando com a ação criminosa resolveram tirar-lhe a vida. Eles subtraíram  um aparelho de TV, oito litros de whisky, dinheiro um revólver, o carro, entre outros. Os objetos foram levados para João Pessoa (para um ‘ponto de apoio’)”.
Danilo Orengo acrescentou que “a mulher (Genúbia) tinha um poder de comando enorme durante a execução do crime. Ela negou a participação, porém os outros dois presos (Luciano e Ecildo) confessaram o crime e confirmaram a participação dela”.
A polícia já sabe, inclusive, da alta periculosidade de Ecildo, que tinha Mandado de Prisão em aberto.
A PC também encontrou uma arma de fogo e uma moto usadas pela quadrilha.
O CRIME
O latrocínio ocorreu por volta das 05h00 da segunda-feira (18/06).
José Amorim de Oliveira, de 79 anos, conhecido como “Zé Gago”, foi morto por asfixia.
Ele foi amarrado e os ladrões colocaram um saco plástico na cabeça dele.
O crime aconteceu na chácara da vítima localizada na Avenida Frei Damião, no Bairro Baixa Verde, em Remígio.
Além de “seu Zé Gago”, estavam na casa a mulher dele e a filha que também foi amarrada.
Os assaltantes pularam um muro e passaram cerca de 40 minutos na chácara.
Eles roubaram vários objetos, deixaram a residência toda bagunçada e fugiram num veículo Gol da família da vítima.
O carro foi encontrado no sítio “Lajedo do Tetéu”.
Após saírem da residência, a filha de José Amorim conseguiu se desamarrar e foi procurá-lo pelo terreno.
Ela disse que depois de bastante tempo o localizou numa cocheira com os pés e mãos amarrados, coberto com capim, com um saco na cabeça e um "pano” envolto ao pescoço.

Nenhum comentário:

Postar um comentário