domingo, 29 de julho de 2018

PCC FAZ CAMPANHA PARA RECRUTAR UM NOVO BANDIDO POR HORA


Em meio à guerra contra facções rivais, o PCC realiza ação para fortalecer o seu exército criminoso pelo país.
A campanha ganhou o nome de "adote um irmão", na qual cada membro do grupo precisa convidar um novo bandido para a facção criminosa.

Com tal campanha, detectada pela Polícia Civil de São Paulo, os criminosos pretendem recrutar uma média mensal de 1.000 novos integrantes (ou mais de 30 novos bandidos a cada dia), tal como teriam conseguido em 2016.
Para impulsionar a ação, os chefões do bando suspenderam há cerca de 40 dias a cobrança em todo o país (a única exceção é São Paulo) da chamada "cebola", mensalidade que os integrantes do grupo são obrigados a contribuir.
Segundo apuração da polícia, essa matrícula e as seguidas mensalidades podem custar até “900 reais” cada, a depender do estado, e a inadimplência pode gerar cobranças e punições.
Os bandidos mais graduados na facção, aqueles "que exercem atividades de elevada hierarquia", não precisam pagar a "taxa". Segundo documentos obtidos pela Folha de S.Paulo e relatos de pessoas ligadas aos criminosos, a guerra iniciada pelo PCC em outubro de 2016 ocorreu justamente porque facções rivais, principalmente o braço do CV (Comando Vermelho) de Mato Grosso, passou a proibir novos batismos pelo PCC nos estados.
Os bandidos rivais perceberam que a facção nascida nas prisões de São Paulo crescia Brasil afora e, assim, não demoraria para ser maioria nas prisões do país e, com isso, dono de todas as rotas de tráfico de drogas.
Pela lógica do crime, quem domina a prisão, domina o crime fora dela.
Atualmente, o PCC tem aproximadamente de 22 mil filiados fora de São Paulo, nas outras 26 unidades da federação, segundo dados obtidos pela Polícia Civil.
O plano de expansão foi detectado pela polícia durante a operação Echelon.
Nas conversas monitoradas, os criminosos revelam outras ações de recrutamento e também preocupação com outras facções em outros estados, como em Minas Gerais e no Ceará.
Neste último, membros do PCC foram flagrados reavaliando uma ordem recebida de um chefão do PCC de declaração de guerra com a quadrilha local, o GDE (guardiões do estado), em razão de tamanha a diferença entre os grupos.
Os criminosos são identificados nos diálogos como Gilmar e Souza.
Gilmar: Eles [GDE] ‘tem’ 15 mil integrantes dentro do estado [do Ceará] e nós [PCC] ‘tem’ sabe quantos? Mil e pouco, mil e pouco.
Souza: E eles ‘tem’ quantos, irmão?
Gilmar: 15 mil, e nós mil.
Souza: E ‘nóis’ tem mil, mil e pouco?
Gilmar: Mil e pouco. Como é que ‘nóis’ vai declarar uma guerra com eles? ‘Nóis’ não pode, não é o momento ainda.
Souza: É, tô ligado, é a mesma coisa de se suicidar, né?
GENOCÍDIO DE RIVAIS
Outros documentos obtidos pela Folha revelam que o PCC pratica um "verdadeiro genocídio" no país, em sua guerra contra grupos rivais para o domínio do tráfico nacional de drogas.
Segundo o documento, há milhares de imagens de pessoas assassinadas em todo o país a mando da facção – de inimigos ou de membros do próprio grupo acusado de faltas graves.
"[São] milhares de registros, fotos e vídeos que demonstram, ainda que de forma fragmentária, o funcionamento desta célula criminosa para a prática de um verdadeiro genocídio no Brasil", diz trecho do documento da polícia.
A facção também tem buscado abastecer seus integrantes com armamento pesado.
Em conversas monitoradas pela polícia, os criminosos falam de ordem dada por chefões do crime para a realização de levantamento de fóruns em todo o território nacional que possam ter estoques de "ferramentas", maneira como os criminosos chamam as armas.
Tal orientação, segundo o relatório da polícia, teria partido de Presidente Venceslau (interior de São Paulo) onde está presa a cúpula da facção, incluindo Marco Camacho, o Marcola, apontado pela polícia e pela Promotoria como o principal chefe do grupo.
BATISMO
Quando aceitam participar do PCC, os bandidos são submetidos a um "batismo".
É uma cerimônia simples, feita muitas vezes numa conferência telefônica, na qual o bandido diz aceitar às regras da facção (e as consequências).
Também responde a um curto questionário que, entre as seis perguntas, precisa responder se leu o estatuto do PCC (e conhece a "ideologia"), se faz parte de outra quadrilha, se já faz uso de drogas pesadas (pasta base, crack ou ópio), se já "segurou" flagrante para outro bandido por dinheiro e, por fim, se já teve "atos de homossexualismo".
Ao ser aprovado, entra para o chamado Livro Branco.
(MSN com informações da Folhapress - Folha de São Paulo)

3 comentários:

  1. ISSO É O RETRATO DO BRASIL DE HOJE,LEIS ARCAICAS E ESQUERDOPATAS DE TODA ESPÉCIE PARA PROTEGER BANDIDOS,E O RESULTADO TÁ AÍ...BRASIL RUMO A SER UMA COLÔMBIA DA DÉCADA DE 90 OU IRAQUE,AFEGANISTÃO E ETC...

    ResponderExcluir
  2. TEMOS UMA CLASSE POlÍTICA QUE SE ASSEMELHA A ESSE GRUPO. RAROS SÃO OS QUE PODEM NOS REPRESENTAR.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. politicos sao cegos surdo e mudo pois estao mais podre q esgoto estourado nao teem poder p mexer com os manos.. ta tudo dominado e o povo lascado.

      Excluir