quinta-feira, 9 de agosto de 2018

DURANTE JÚRI: PROMOTOR CHAMA ADVOGADO DE “MENTIROSO SAFADO”; ACUSADO DE MATAR VIGIA VOLTA A SER CONDENADO

Durante um acalourado debate no julgamento de um réu acusado de matar um vigia, o promotor Sócrates Agra chamou um dos advogados de defesa de “mentiroso safado”.

Tudo ocorreu na manhã desta quarta-feira (08/08) no Fórum Pedro Gondim, em Alagoa Nova, no Brejo.
O promotor disse que durante o julgamento do réu, o advogado Fernandes Braga teve um comportamento deselegante com a promotoria e tentou intimidá-lo por várias vezes.
O advogado retrucou o promotor.

A partir de então começou um uma série de situações vexatórias no julgamento de Alecsandro Mariano da Silva, acusado de ser um dos autores da morte do vigia Bruno Pereira da Rocha, crime ocorrido em 13 de abril de 2013.
O juiz Eronildo José Pereira ficou constrangido com toda situação e teve que agir com rigor para que a situação não prejudicasse o andamento do julgamento.

O advogado disse que vai representar contra o promotor que por sua vez vez chamou ainda Fernandes de “nojento”.
Nesta “contenda” o promotor disse que era homem para “decidir onde e com o o advogado quisesse”.
Tudo isso durou cerca de dez minutos.
Acalmados os ânimos”, o acusado Alecsandro Mariano foi condenado a 16 anos e quatro meses de reclusão.
Antes, num júri que foi anulado, ele havia sido condenado a uma pena de 23 anos.
Como já estava preso desde 2014 é bem provável que em 2019 ele já esteja no regime semiaberto.
O outro réu, João Batista Silvério, não foi julgado.
Não houve como o sistema prisional levá-lo ao fórum.
Alecsandro foi defendido pelos advogados Alípio Neto e Fernandes Braga.
ENTENDA O CASO/O CRIME
Bruno foi morto por que presenciou ou teria tentado evitar que os acusados soltassem e roubassem alguns cavalos que estavam no matadouro.
Os assassinos foram cruéis: a vítima foi amordaçada, amarrada e morta com vários golpes na cabeça.
De acordo com o sargento Cleodon Cabral "foi um crime cruel e covarde”.
Os acusados chegaram ao local, arrombaram a porta do alojamento e serraram os cadeados das baias onde estavam os animais.
O vigia não teve chance de defesa.
O corpo de foi encontrado pelos colegas de trabalho da vítima.

6 comentários:

  1. QUANTA BAIXARIA E FALTA DE PROFISSIONALISMO. ESTE É O BRASIL QUE EU QUERO !!!!!

    ResponderExcluir
  2. Bom dia Renato, eu fui um dos companheiros de trabalho do vigilante assassinado e gostaria de pedir-lhe que não usasse o termo vigia, pois, ele, como eu, era vigilante concurso da prefeitura municipal de Alagoa Nova. Obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Josimar: Agradeço a informação. Creio que vc e ele tinham curso de vigilantes reconhecidos com direito a porte de arma, né isso?

      Excluir
  3. Num país sério no mínimo prisão perpétua e ainda teria que trabalhar para se alimentar, mais vem um bando de hipócritas com blablabla e etc, queria ver se fosse um familiar de quem ainda Defende esse tipo de escória

    ResponderExcluir
  4. O vigia é, na maioria das vezes, informal e exerce funções bastante limitadas, enquanto o vigilante tem profissão reconhecida e regulamentada, que inclui variadas frentes de atuação. O vigilante possui porte de arma, o vigia não.

    ResponderExcluir