Menu

quinta-feira, 13 de agosto de 2015

PRESO NO TRAUMA UM DOS ACUSADOS DE MATAR POLICIAL CIVIL; ELE FOI BALEADO E TINHA QUEBRADO O ALBERGUE

Uma equipe da Delegacia de Homicídios, sob o comando do delegado Francisco de Assis Silva deu cumprimento a um Mandado de Prisão na tarde desta quinta-feira (13/08) em desfavor de Adalberto de Oliveira, o “batistinha”, de 29 anos.
Ele recebeu “voz de prisão” no Hospital de Trauma, em Campina Grande, onde se recupera de uma tentativa de homicídio.
“Batistinha” é um dos condenados pela morte do policial civil Ariosvaldo Pereira das Chagas, o agente “Chagas Dadau”.
O crime aconteceu no dia 07 de janeiro de 2007.
Ele foi condenado a uma pena de 33 anos, mas “adquiriu uma série de benefícios da justiça” e estava no regime semiaberto.
No entanto quebrou o albergue.
No último sábado (08) “batistinha” deu entrada na ala vermelha do Trauma, vítima de três tiros (na cabeça, abdome e costas).
A tentativa de homicídio aconteceu na Catingueira.
Testemunhas disseram que um “desconhecido” apedrejou Adalberto.
Em seguida o acusado efetuou os disparos.
A MORTE DE CHAGAS
Ariosvaldo Pereira das Chagas, 49 anos, e foi morto na Catingueira com um tiro no pescoço efetuado por um bando  acusado de homicídios, roubos e assaltos nos bairros das Cidades, Catingueira, Mutirão e Jardim Verdejante.
O policial estava investigando a atuação da quadrilha e foi morto no momento em que checava a informação de que os bandidos estavam em um casebre.
Os demais envolvidos no crime foram presos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário