domingo, 15 de janeiro de 2017

ESCOLA GASTA 50 MIL REAIS COM ELEVADOR QUE LEVA “A LUGAR INEXISTENTE”. ENTENDA

O Ministério Público do Ceará investiga a construção de um elevador instalado em uma escola pública no Bairro Quintino Cunha, em Fortaleza.
Conforme a 16ª Promotoria de Justiça de Defesa da Educação, o elevador, que custou “50.000,00 reais”, dá "acesso a um lugar inexistente".

A Secretaria Municipal da Educação informou que o projeto de reforma da escola Denizard Macedo inclui uma passarela metálica entre os dois andares, que permite acesso do elevador para o segundo andar da escola.
Eu não havia conseguido compreender a denúncia do cidadão, de que o elevador 'não tinha chão', então, eu fui à escola para entender. Foi quando constatei esse absurdo. Mesmo o espaço já possuindo rampa de acessibilidade, foi construído um elevador que não leva a lugar algum e que custou aos cofres públicos mais de R$ 50 mil, além de um valor que é pago periodicamente para manutenção do equipamento”, explicou a titular da 16ª Promotoria de Justiça.
Antes, em 2014, uma vistoria técnica do MPCE constatou irregularidades na infraestrutura da escola.
Dentre os problemas, estava a falta de acessibilidade no prédio, principalmente nos banheiros e biblioteca.
O MPCE informou que foi firmado um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) com a Prefeitura de Fortaleza para regularizar os itens comprometidos, incluindo a realização de obras de adaptação de acessibilidade aos alunos com necessidades especiais e mobilidade reduzida.
É garantido que o Ministério Público vai apurar as responsabilidades pelo ocorrido e já estamos requerendo à Prefeitura de Fortaleza mais detalhes sobre o caso”, afirmou o órgão.
Em nota, a SME ressaltou que a empresa responsável pelas obras dará início à construção da estrutura que deve ligar os dois andares até a próxima segunda-feira (16).

A previsão da pasta é que a obra seja concluída no prazo de 60 dias.
(G1 CE)

Nenhum comentário:

Postar um comentário