Menu

sábado, 12 de novembro de 2016

ESCOLA MUNICIPAL NENZINHA CUNHA LIMA GANHA MUSEU EM HOMENAGEM AO BAIRRO DE JOSÉ PINHEIRO

Reunindo imagens, objetos e depoimentos em um acervo físico e digital que conta a história do bairro de José Pinheiro, a Escola Municipal Nenzinha Cunha Lima passou a contar, desde a última quinta-feira (10/11) com o Museu da Comunidade na Escola.

Fruto da colaboração de moradores do José Pinheiro, da comunidade escolar e de artistas do bairro, que contribuíram para a formação do acervo com doações e depoimentos, o Museu faz parte do programa Mais Cultura nas Escolas, desenvolvido na rede municipal de ensino em parceria com o governo federal.

O espaço, inaugurado pela Secretaria de Educação do Município (Seduc), ficará aberto para visitação do público, de acordo com o horário de funcionamento da escola, que é de 07h00 às 11h00 e de 13h00 às 17h30, de segunda-feira a sexta-feira.
No local é possível encontrar desde fotografias dos primeiros moradores do bairro, como José Pinheiro e Manoel Sales, até roupas utilizadas por membros da Bambas do Ritmo, escola de samba tradicional do bairro, e também por integrantes da quadrilha junina “Arraiá da Felicidade”.
Um documentário, com depoimentos sobre o José Pinheiro também integra o acervo do Museu e será disponibilizado em tablets para pesquisas escolares.

Além dos moradores do José Pinheiro, orgulhosos com o espaço que reúne as principais memórias do bairro desde a sua fundação, participaram da solenidade de inauguração a secretária de Educação do município, Iolanda Barbosa; a coordenadora do projeto, Giovanna Aquino; a coordenadora de Educação da Seduc, Izabel Veiga; o representante da Câmara Municipal, vereador Olímpio Oliveira; artistas do bairro e alunos da escola.
Eles assistiram a uma apresentação da Filarmônica Epitácio Pessoa e reviveram uma tradição que perdurou no bairro até a década de 80: acompanhar a programação musical da “Difusora do Gaúcho”.
A difusora foi criada na comunidade por Jovelino Farias, o “gaúcho” que deu nome à difusora, que já prestava serviço aos moradores da região antes da fundação das primeiras rádios de Campina Grande.
Ao falar sobre o espaço a coordenadora do projeto, Giovanna Aquino, agradeceu aos 26 doadores do acervo e aos cinco artistas que contribuíram com suas técnicas de trabalho para a composição do Museu, projeto que, segundo ela, é pioneiro no município.

“Registrar as memórias do bairro de José Pinheiro é salvaguardar não apenas lembranças de um passado distante, mas, principalmente, manter viva a contribuição que esta comunidade concedeu, e ainda concede, para o desenvolvimento cultural, social e econômico de Campina Grande”, ressaltou Giovanna.
(Codecom)

Nenhum comentário:

Postar um comentário