sábado, 27 de maio de 2017

PARA TODOS OS GOSTOS: JORNALISMO DO RÁDIO CAMPINENSE É FORTE E INFLUENTE

Para quem pensa que o rádio perdeu fôlego, diante das novidades “avassaladoras" da internet, está completamente enganado.
O Rádio continua forte, influente e de extrema utilidade pública.
Em Campina Grande, por exemplo, o ouvinte de rádio não tem do que se queixar.
Tem programas para todos os gostos, estilos e tendências.
Além disso, os noticiários são fortes o suficiente para mudar opiniões e conceitos.
Esse mesmo jornalismo que tem qualidade, que tem eficîência e é inteligente, é também questionado, criticado, ignorado e rotulado. 
Mas não é possível minimizar a informação ou opinião dos seus noticiaristas.
Campina tem uma particulartidade:
No Rádio em Campina não existe a figurado do radialista “palmatória do mundo”, cuja opinião ou informação é tida como a "única".
Este tipo de comunicador não tem espaço diante das dezenas de opções que foram surgindo nos veículos.
Quem tenta ser o "bocão" de Campina Grande, é logo destronado.
O ouvinte se encarrega disso.
Um jornalismo tendencioso, de uma só mão, não consegue sobreviver.
Hoje, “do outro lado do rádio”, tem uma sociedade mais atenta, antenada e que não compra gato por lebre.
Talvez, por causa desse ouvinte, o rádio campinense (e aqui incluo a rádio Cidade Esperança) tenha melhorado consideravelmente na sua “redação”.
Em Campina, pela manhã, a partir das 06h00 até às 09h00 o ouvinte tem ao seu dispor o Jornal da Manhã (Rádio Caturité AM), Jornal da Cariri (Rádio Cariri AM), Jornal da Correio (Rádio Correio FM), Jornal da Panorâmica (Rádio Panorâmica FM), Jornal Integração (Rádio Campina Grande FM), Jornal da Cidade (Rádio Cidade Esperança, com studio em Campina) e Jornal de Verdade (Rádio Arapuan FM, com stúdio em Campina).
E, a partir do meio-dia até às 19h00, a grade de progranão de várias emissoras também esta recheada de jornalísticos.
EMISSORAS COMUNITÁRIAS
O Jornalista Geovanne Santos, em contato com o www.renatodiniz.com, fez questão de registrar a importância das quatro Rádios Comunitárias: Shalom, Lagar, Da Mata e Galante,
Uma delas tem quase 15 anos de existência, inclusive. Juntas falam para quase 300 mil habitantes”.
Meu carinho e respeito para quem faz rádio com responsabilidade.

Um comentário:

  1. Acreditam os entusiastas e seguidores de redes sociais e blogs tendenciosos e politiqueiros de plantão que tem o poder do RÁDIO. São quase 95 anos de existência, enfrentando vários períodos do nosso Brasil. O rádio é acessado por muitos e continuará assim, superando seja qual for outro meio de comunicação já existente e que possa vi a surgir. Excelente post Renato Diniz.

    ResponderExcluir