domingo, 28 de janeiro de 2018

PM PRENDE TRÊS ACUSADOS DE ESTOURAR BANCO EM TAPEROÁ E APREENDE ARSENAL

A Polícia Militar prendeu em flagrante, no início da manhã deste sábado (27/01), três integrantes da quadrilha que explodiu um correspondente bancário do Bradesco durante a madrugada na cidade de Taperoá, no Cariri paraibano.

O crime ocorreu por volta das 02h50.
O bando foi perseguido até a cidade de Santo André, também no Cariri, onde abandonou o veículo e tentou fugir correndo, mas foi cercado por várias equipes do 15º Batalhão e do Grupamento Especializado de Operações em Área de Caatinga (GEOsAC).

Houve um intenso confronto e os criminosos foram presos com o arsenal usado na ação: três fuzis, três pistolas, carregadores, munições de vários calibres, carregadores, “cordéis” detonantes, dois capuzes, um veículo Hilux de cor prata, além de “20 mil reais” furtados durante a ação.

Um dos fuzis é um AR15 adaptado.
Uma das pistolas pertence a SSP/SP.
Durante a ação a polícia usou um drone para auxiliar nas buscas.
A polícia já sabe que mais dois assaltantes participaram do crime e conseguiram fugir.

Os presos são os irmãos Agliberto Teodósio dos Anjos Júnior, de 28 anos, e Alécio Marreiro Teodósio, 33.
Eles moram em São Vicente do Seridó.
O terceiro preso é Halisson José dos Santos, de 35, morador de Cubati.
Um deles foi chefe da guarda municipal de Cubati, informou a polícia.

No final da tarde às 18h00 os acusados foram encaminhados para Campina Grande onde realizaram exame de corpo delito no NUMOL.
Nesta segunda-feira, 29, eles vão para audiência de custódia.
O crime é de furto qualificado com emprego de armas de uso restrito, explosivos e associação criminosa.
(Redação com assessoria)

4 comentários:

  1. a policia tem que colocar pressão nele possa ser que eles ou comparsas dele esteja envolvido na explosão da caixa do shop.

    ResponderExcluir
  2. isso é uma quadrilha que trabalha para abastecer facções de crime organizada.a policia federal tem que precionar essas bandidagem

    ResponderExcluir
  3. Se precionar pode sair nomes de empresários e de políticos, aí entra em ação a operação 'abafa'.

    ResponderExcluir
  4. A se aqui fosse um país sério como a China.

    ResponderExcluir