terça-feira, 8 de janeiro de 2019

ÁRBITRO DE DECISÃO DO PAULISTA 2018 VIRA 'ESTRELA' NO CAMPEONATO PARAIBANO

O árbitro da polêmica final do Campeonato Paulista de 2018 trocou São Paulo pela Paraíba neste ano. 

Nove meses depois de trabalhar na decisão entre Palmeiras e Corinthians, Marcelo Aparecido de Souza estourou a idade limite de 45 anos para participar do quadro da Federação Paulista de Futebol (FPF) e é a principal aquisição do quadro de juízes do Campeonato Paraibano.
A final do Paulista de 2018 ficou marcada pela reclamação do Palmeiras sobre interferência externa. 
O clube sustenta que o árbitro anotou um pênalti de Ralf em Dudu e voltou atrás na decisão oito minutos depois ao ser avisado por alguém que estava fora do campo.
Na Paraíba, o árbitro vai se apresentar com o status de principal novidade do projeto de reformulação local. 
O Estado nordestino encara desde 2018 um escândalo deflagrado pela Operação Cartola, promovida pelo Ministério Público contra a corrupção e manipulação de resultados no campeonato local. 
Com dirigentes afastados e nove árbitros banidos, a Federação Paraibana precisou "importar" juízes de outras federações para recompor o quadro.
Segundo o diretor de arbitragem da Federação Paraibana, Arthur Alves Júnior, o árbitro paulista será o principal nome do Estado. 
"Queremos ter árbitros experientes, como o Marcelo. Ele vai ajudar os outros companheiros. A presença dele é importante. O campeonato será complicado", disse.
A maioria dos juízes locais é jovens e foi promovida dos trabalhos na segunda divisão paraibana. 
"Infelizmente alguns dos nossos árbitros não foram bem nas provas teóricas que aplicamos. Isso me deixou triste. Precisamos aprimorar nosso quadro e contar com quem está acostumado a trabalhar em decisões importantes", afirmou o diretor de arbitragem.
Assim como Souza, outros três nomes, ainda não definidos, vão migrar para a Paraíba para reforçar o quadro local. 

As transferências têm, inclusive, o aval da CBF. 
Nas competições organizadas pela entidade, como o Brasileiro, e na maioria dos Estaduais o árbitro pode apitar até os 50 anos.
O responsável pelo apito na final do Paulista de 2018 diz ter superado a polêmica com as reclamações do Palmeiras e se considerar como um tutor no novo Estado. 
"Quando você está em São Paulo, divide a responsabilidade com outros nomes experientes da Federação Paulista. Agora, sou um espelho para os mais novos. Vou levar para a Paraíba a minha experiência nos grandes jogos", disse ao Estado o árbitro, que continuará a participar do quadro da CBF.
Souza vai continuar morando em São Paulo e só viajará à Paraíba na véspera das partidas. 
A estreia foi no fim de semana, no amistoso entre Botafogo e Serrano. 
Na ocasião, também participou de palestras com os novos colegas e fez testes físicos.
PARA LEMBRAR
Ao longo de cinco meses, o Palmeiras tentou anular a final do Campeonato Paulista. 
O clube argumentou que o árbitro Marcelo Aparecido de Souza havia sofrido interferência externa para voltar atrás após marcar um pênalti do corintiano Ralf em Dudu.
O clube levantou provas com vídeos, contratou uma empresa americana de inteligência e produziu um dossiê para tentar defender a tese. 
A primeira investida do Palmeiras foi no âmbito estadual, no Tribunal de Justiça Desportiva (TJD). 
Depois do revés, o departamento jurídico alviverde recorreu ao Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), no Rio.
Como o órgão entendeu que não era possível comprovar a interferência externa, o Palmeiras encerrou o assunto. 
A diretoria afirmou na ocasião que estava satisfeita por ter provocado o debate sobre melhorias na arbitragem.
(Ciro Campos, O Estado de S.Paulo)

Nenhum comentário:

Postar um comentário