sábado, 29 de junho de 2019

“PENA QUE NÃO FOI NA INDONÉSIA”, DIZ BOLSONARO SOBRE MILITAR PRESO NA ESPANHA COM 39 KG DE COCAÍNA

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta sexta-feira (28/06) ser uma "pena" que o sargento Manoel Silva Rodrigues tenha sido preso na Espanha, e não na Indonésia.

Bolsonaro deu a declaração ao conceder uma entrevista coletiva em Osaka (Japão), onde participa da cúpula do G20.
Na última terça (25), o sargento da Força Aérea Brasileira foi preso no aeroporto de Sevilha com 39 quilos de cocaína. 
Rodrigues atua como comissário de bordo numa aeronave que, segundo a TV Globo apurou, faz a rota presidencial antes do avião do presidente da República.
"Aquele elemento ali traiu a confiança dos demais. Traiu a confiança, sim. Olha, pena que não foi na Indonésia. Eu queria que tivesse sido na Indonésia, tá ok? Ele ia ter o destino que o Archer teve no passado", afirmou o presidente da República.
Em janeiro de 2015, o brasileiro Marco Archer foi executado na Indonésia por ter sido condenado à morte por tráfico de drogas. Em 2004, ele havia sido preso no país tentando entrar com 13 quilos de cocaína.
Três meses depois, em abril de 2015, o brasileiro Rodrigo Gularte também foi executado na Indonésia pelo mesmo motivo.
Ele havia sido preso em 2004 por tentar entrar no país com 6 quilos da droga.
Conforme o Artigo 5º da Constituição Federal, que trata dos direitos e garantias fundamentais, não haverá pena de morte no Brasil "salvo em caso de guerra declarada".
Segundo o ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, o sargento Manoel Silva Rodrigues será julgado no Brasil e na Espanha "sem condescendência".
(Por Filipe Matoso e Gustavo Garcia, G1 — Brasília)

Um comentário:

  1. O Brasil deveria fazer o mesmo que a Indonésia faz.ter pena de morte pra quem vive fazendo tráfico de drogas.isso só não acontece porquê tem políticos envolvido nisso ai.

    ResponderExcluir