sábado, 10 de agosto de 2019

PC APREENDE TRIO ACUSADO DE MATAR HOMEM EM CAMPINA PARA ROUBAR MOTO

*Grupo tinha casa alugada para servir de “ponto de apoio”
*Assassino foi capturado em Itaporanga, no Sertão
Policiais da Delegacia de Homicídios em Campina Grande desvendaram um assassinato ocorrido no dia 05 de janeiro numa estrada da fazenda “Caiçara”, no Bairro das Cidades, e apreenderam três adolescentes que confessaram o crime.

Os assassinos mataram o pedreiro José Alves da Silva, de 56 anos de idade, para roubar uma motocicleta.
Conforme o delegado Francisco Assis Silva, os autores agiam no local do homicídio havia um bom tempo.
Eles faziam uma espécie de “pedágio” e quem passasse na estrada, “dependendo” das circunstâncias, era alvo da escória.
Na tarde em que foi morto, José Alves voltava de Queimadas e  quando passava no trecho, pilotando uma moto, recebeu “ordem” de parada, porém acabou sofrendo um tiro no tórax, pelas costas.
Ainda com forças, a vítima parou o veículo, deixou no “descanso”, desceu da motocicleta, e acabou morrendo na estrada.
O trio não levou o veículo.
A arma utilizada foi um revólver calibre “32”.
De acordo com o delegado, durante interrogatório, um dos acusados disse que sempre “orientava” os comparsas para não matar as vítimas.
Bastava apenas roubar qualquer pertence, mas não era para matar.
O grupo tinha como ponto de apoio para às perversidades, uma casa alugada na Rua Tianguá, no Bairro das Cidades.
Dois, dos três acusados foram apreendidos Campina Grande, dez dias atrás, e o responsável pelo disparo nas costas do agricultor foi capturado em Itaporanga, no Sertão.
O pai o tinha encaminhado para lá “com objetivo de afastá-lo das más companhias”.
O trio já havia sido apreendido outras vezes envolvido com outros crimes.
O CRIME
Este foi o primeiro homicídio registrado este ano em Campina Grande (por volta das 16h50 de sábado).
O pedreiro sofreu disparo de arma de fogo no tórax (pelas costas).
José Alves foi encontrado sem vida ao lado da moto que pilotava.
A motocicleta não estava caída.
Nada foi roubado.
Após ouvir familiares da vítima o delegado  Francisco Assis Silva disse que “havia mais de dois anos que ele estava construindo uma casa na zona rural de Barra de Santana – na região de Queimadas – e fazia sempre esse itinerário. Inicialmente ele percorria o trecho usando uma bicicleta, mas acabou comprando uma moto. Ele não tinha inimigos e trabalhava bastante”.
A MOTOCICLETA NÃO ESTAVA CAÍDA
De acordo com o delegado Francisco de Assis tudo leva a crer que ele recebeu o tiro e caiu com a moto.
É bem provável que após a queda, José Alves, ainda com forças levantou a moto e a colocou “no ponto de saída”, mas em seguida acabou morrendo ao lado do veículo.
CRIME DE LATROCÍNIO
O local onde ocorreu o crime é bastante perigoso e já ocorreram vários assaltos.
A estrada fica numa fazenda com cercas de arame farpado de um lado e do outro.
Os prováveis assassinos cortaram os arames em quatro pontos das duas cercas e ficaram esperando qualquer vítima passar.
Para o delegado não está descartada a possibilidade de latrocínio,
José Alves era casado e tinha um filho.
(Por www.renatodiniz.com)

3 comentários:

  1. BANDIDOS ADORAM MOTOS, NÃO É MESMO ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bandido adora moto, carro, bicicleta, celular, o que der na telha roubar. Que trauma é esse teu com moto hein?

      Excluir
  2. bandido ruim não essa de coloca em prisão depois que se soltar vai fazer a mesma coisa,essa lei tinha que ser mudada quem matar uma pessoa tem que ser morto tbm.

    ResponderExcluir