MAIS DE 9.000 IGREJAS E EDIFÍCIOS CRISTÃOS FORAM ATACADOS NO ANO PASSADO, DIZ RELATÓRIO

A Missão Portas Abertas, principal organização internacional de vigilância da perseguição aos cristãos, divulgou na última quarta-feira (15/01) a Lista de Vigilância Mundial para 2020, um influente relatório anual de dados que este ano destacou também um aumento drástico nos ataques igrejas e outros locais de culto cristãos.
Lançado pela primeira vez em 1992, o relatório anual classifica os piores 50 países do mundo quando se trata de perseguição aos cristãos e é baseado em dados compilados pelas operações da Portas Abertas em 60 países.
A lista deste ano cita vários reincidentes como Coreia do Norte — que lidera o ranking desde 2002 — China, Irã, Somália e Eritreia, além de países recentemente adicionados, onde o extremismo islâmico radical causou estragos nas comunidades cristãs em 2019.
A Portas Abertas lançou o relatório para 2020 em um briefing com a presença de representantes do governo Trump, do Congresso, da Comissão de Liberdade Religiosa Internacional dos EUA e importantes ativistas de direitos humanos.
A Lista Mundial de Observação de 2020 fornecerá a você os dados de base mais credíveis sobre a perseguição cristã. Mas é muito mais do que isso”, explicou David Curry, CEO da Portas Abertas nos EUA. 
"Isso soará o alarme".
O relatório constatou mais de 260 milhões de cristãos experimentaram "altos níveis de perseguição" nos 50 principais países da lista, um aumento de cerca de 6% em relação ao relatório de 2019.
Os dados também mostram que 9.488 “igrejas ou edifícios cristãos” - ou uma média de 25 por dia - foram atacadas durante o período do relatório de 2019 (1 de novembro de 2018 a 31 de outubro de 2019). 
Esse número aumentou drasticamente, conforme a Portas Abertas observou no relatório do ano anterior que 1.266 igrejas ou edifícios cristãos foram atacados.
Além disso, o número de cristãos detidos sem julgamento, presos e presos aumentou de 2.625 no relatório de 2019 para 3.711 no relatório de 2020.
O relatório de 2020, no entanto, indica uma diminuição no número de cristãos mortos por causa de sua fé. 
Pelo menos 2.983 cristãos foram mortos por razões relacionadas à fé durante o último período do relatório. 
Isso é uma média de oito cristãos mortos por dia. 
Em comparação, uma média de 11 cristãos mortos por dia (4.136) durante o período do relatório de portas abertas de 2018.
AUMJENTO DA VIOLÊNCIA NA ÁFRICA SUBSAARIANA
As descobertas do relatório ocorrem quando o extremismo islâmico violento atingiu a África subsaariana em 2019, particularmente em áreas onde o controle do governo é fraco.
O aumento levou ao fechamento de igrejas e fez com que centenas de milhares de pessoas fugissem de suas casas e aldeias.
Um dos países listados na Lista Mundial deste ano que não estava no relatório para 2019 é Burkina Faso.
O país da África Ocidental que já foi considerado relativamente pacífico subiu 33 posições no ranking do Portas Abertas em relação ao ano passado e agora ocupa o 28º lugar da lista. 
A parte nordeste do país sofre com o aumento da violência extremista desde 2016. 
Mas os ataques se espalharam e aumentaram exponencialmente em 2019.
As estimativas sugerem que mais de 250 pessoas foram mortas por grupos extremistas islâmicos somente em Burkina Faso, em 2019. 
Houve relatos de vários ataques a igrejas e fiéis cristãos, incluindo um ataque em dezembro a um culto que matou pelo menos 14 pessoas.
Países semelhantes incluídos no relatório são a República Centro-Africana (nº 25), que lida com os combates de militantes islâmicos rebeldes que têm como alvo os cristãos, e Mali (nº 29). 
O Níger também foi adicionado à World Watch List deste ano, no 50º lugar.
Camarões, assolados pela guerra civil (nº 48), foram adicionados à lista de observação mundial este ano em meio a relatos de ataques de extremistas islâmicos radicais contra comunidades cristãs. 
Camarões também está lidando com a disseminação do Boko Haram.
(Fonte: Guiame, com informações do Christian Post)
Foto: Portas Abertas

Nenhum comentário:

Postar um comentário