segunda-feira, 13 de abril de 2020

PARAÍBA ZERA FILA DE ANÁLISE DE AMOSTRAS VIÁVEIS PARA CORONAVÍRUS

Paraíba zerou a fila de análise de amostras viáveis de investigação da Covid-19, no Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen-PB), ligado à Secretaria de Estado da Saúde.

A partir desta segunda-feira (13/04) o resultado dos exames acompanha o movimento da curva ascendente da doença, em tempo oportuno.
Amostra viável é aquela coletada corretamente, no tempo certo e com a quantidade exigida.
Com isso, de acordo com o boletim divulgado pela Secretaria de Estado da Saúde (SES), nesse sábado (11), a Paraíba superou a marca de 100 casos confirmados (101); 832 descartados; 13 óbitos e 43 casos recuperados.
A SES agradece o empenho de todos os servidores do Lacen-PB. O nosso esforço para que os exames passassem a ser realizados aqui na Paraíba não foi em vão. O trabalho incansável dessas equipes deu maior rapidez nos resultados dos exames de coronavírus”, observou o secretário de Estado da Saúde, Geraldo Medeiros, que reforçou a orientação para que a pessoa fique em casa, quebrando a cadeia de transmissão do vírus.
Para os casos leves, o governo já adquiriu 200 mil testes e aguarda a chegada para divulgar os detalhes.
O diretor geral, do Lacen-PB, Bergson Vasconcelos, lembrou que, no ano de 2016, na emergência da microcefalia, relacionada ao zika vírus, o Lacen-PB enviava as amostras para o Instituto Evandro Chagas (IEC), no Pará e, agora, com o coronavírus, a realidade mudou, pois, os exames que, também estavam sendo realizados no IEC, passaram a ser feitos no Lacen-PB.
Explicou que, zerando as amostras viáveis, foi criada uma rotina capaz de acompanhar a curva ascendente da doença.
Hoje, o Lacen-PB consegue fazer 120 exames, por dia. Há estados com uma fila enorme. Esta semana, provavelmente, teremos muitas amostras porque o adoecimento começa a acontecer. Agora é que a gente inicia a fazer teste de doentes e, com isso, haverá uma detecção maior, até porque estamos na ascendência da covid-19”, concluiu Bergson.
(Por Secom)

Nenhum comentário:

Postar um comentário