sexta-feira, 24 de julho de 2020

PROCON CONSTATA EM CAMPINA DIFERENÇA DE ATÉ “200 REAIS” NO PREÇO DO MILHEIRO DE TIJOLOS

O Procon de Campina Grande preparou mais uma pesquisa de preços para orientar o consumidor quanto a compra  de materiais de construção.
O levantamento realizado nesta quinta-feira (23/07) em 20 estabelecimentos da cidade reforça a necessidade de se fazer uma boa pesquisa de preço e verificar os valores que estão sendo praticados no comércio antes de se decidir pela compra.
Dos 13 produtos pesquisados pelo Procon os que mais apresentam diferença de preços entre as lojas visitadas são: a areia, o metro chega a apresentar uma variação de até 23 reais; o massame pode ser encontrado a preços que variam de R$ 35 a R$ 67; o rejunte sofre uma variação de R$ 1,99 a R$ 6,50; e o tijolo de oito furos, que dependendo da loja pode ser comprado a preços que vão de R$ 500,00 a R$700.
Além da pesquisa o consumidor tem de ter cautela na hora da compra.
É importante que antes de tudo o consumidor peça orientação para um profissional sobre os melhores produtos, depois faça uma minuciosa pesquisa de preços junto às lojas, e após comprar na hora da entrega, o consumidor deve confirmar todo o material, inclusive quantidade e valores. Caso haja irregularidades, não aceite o produto nem assine o recibo. Faça uma observação no verso da nota fiscal e entre em contato com a loja para resolver a questão. Não solucionando o problema, recorra ao Procon de Campina Grande por meio dos números: 151, 98185-8168, 98186-3609 e 98123-0749”, orienta Rivaldo Rodrigues, coordenador executivo do Procon Municipal.
A pesquisa realizada pelo Procon não compreende todo o universo de lojas que vendem materiais para construção.
É a apenas uma amostragem para dar uma base de preços ao consumidor.
Caso encontre lojas vendendo estes produtos por um preço muito superior, deve-se denunciar imediatamente ao Procon.
(Por assessoria Procon)

3 comentários:

  1. o procon deveria ir nos super mercado mais parece que não tem força pra isso

    ResponderExcluir
  2. O procon de campina se preocupa com o tijolo e faz vista grossa pra gasolina,sei não,é melhor não me estender no comentário...

    ResponderExcluir
  3. Procon tem que visitar os postos de gasolina e restaurantes...

    ResponderExcluir