segunda-feira, 22 de julho de 2019

NOVA TABELA DE FRETE RODOVIÁRIO SERÁ SUSPENSA, DIZ MINISTRO DA INFRAESTRUTURA

*Em Campina: filas nos postos de gasolina para evitar o “desabastecimento”
O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, afirmou ao G1 nesta segunda-feira (22/07) que será suspensa a resolução da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) que estabeleceu regras para o cálculo do piso do frete rodoviário.
A resolução foi publicada pela ANTT, na última quinta-feira (18), após passar por consulta pública.
Entrou em vigor no sábado (20).
Segundo o ministro, será aberta uma nova rodada de negociação com os caminhoneiros.
Há uma reunião prevista para quarta-feira (24).
A nova tabela para cálculo do frete mínimo foi criada em conjunto com o Grupo de Pesquisa e Extensão em Logística Agroindustrial, ligado à Universidade de São Paulo (USP), e gerou críticas de caminhoneiros.
Em nota divulgada no final da manhã desta segunda, o Ministério da Infraestrutura afirmou que solicitou formalmente a suspensão do novo piso mínimo à ANTT.
O ministério informou que a votação sobre a suspensão cautelar da resolução será feita em uma reunião extraordinária da ANTT marcada para 18h00.
A pasta explicou que foi observada "insatisfação em parcela significativa dos agentes de transporte" e que "diferenças conceituais quanto ao valor do frete e o piso mínimo" devem ser novamente discutidas com a categoria.
"O diálogo segue sendo o principal mecanismo com o qual vamos buscar o consenso no setor de transportes de cargas. Por isso a importância em dar continuidade às reuniões. Estamos desde o início do ano com as portas abertas no ministério e esta tem sido a melhor forma de dar transparências às decisões que estão sendo tomadas em conjunto", explicou o ministro Tarcísio Freitas.
CAMINHONEIROS
Um dos líderes do movimento de greve de 2018, o caminhoneiro Wanderlei Alvez, conhecido como Dedeco, explicou que a resolução só considera para o cálculo do piso do frete os custos do transporte e não inclui a remuneração do caminhoneiro.
"Não existe remuneração. Existe um campo para colocar qual o lucro o caminhoneiro quer receber, mas o embarcador não vai pagar porque não é obrigatório", afirmou Dedeco.
Segundo ele, a categoria ficou mais calma com a notícia da revogação da resolução e espera resolver a questão na reunião de quarta-feira (22) com o ministro Tarcísio Freitas.
NOVAS REGRAS
A nova resolução prevê que 11 categorias de cargas serão usadas no cálculo do frete mínimo e amplia os itens considerados no cálculo.
Além da distância percorrida, o cálculo do frete mínimo também considera o tempo de carga e descarga do caminhão, custo com depreciação do veículo, remuneração do caminhoneiro, impostos, entre outros.
Quando divulgou a nova tabela, a ANTT informou que a consulta pública sobre as novas regras recebeu 500 contribuições e que "parte significativa dessas contribuições foram acatadas e serviram de subsídio para o aprimoramento da proposta".
A tabela de frete foi criada no ano passado, pelo governo Michel Temer, após a greve dos caminhoneiros que bloqueou estradas e comprometeu o abastecimento de combustível, de medicamentos e de alimentos em todo o Brasil.
A criação era uma das reivindicações da categoria.
(Por Laís Lis, G1 — Brasília)
*EM CAMPINA: FILAS NOS POSTOS DE GASOLINA PARA EVITAR O “DESABASTECIMENTO”
Tão logo começou a se espalhar pelas redes sociais que haveria bloqueio nas entradas/saídas de Campina Grande, condutores de veículos cuidaram de se dirigir aos postos de combustíveis para garantir o abastecimento.
Filas foram vistas por quase tosos os estabelecimentos.
Em Campina Grande os caminhoneiros se concentraram em um trecho da Alça Sudoeste, em frente a Coteminas, mas não houve  confrontos.
Carros de passeio, motos, ambulâncias, ônibus e “carga viva” puderam passar livremente.
(Por www.renatodiniz.com)

Nenhum comentário:

Postar um comentário