segunda-feira, 22 de junho de 2020

CATOLÉ DO ROCHA: MUNICÍPIO VOLTA A SER CENÁRIO DE VIOLÊNCIA E PREOCUPA A POLÍCIA

Catolé do Rocha, no Alto Sertão paraibano, virou manchete no noticiário policial em virtude da onda de violência que tomou conta do munícipio neste final de semana e, além disso, pelo número de crimes violentos letais ocorridos este ano.
Em torno de 30 pessoas foram assassinadas em 2020 e neste final de semana foram seis mortes, sendo quatro pessoas de mesma família.
Estes números são desgastantes para a polícia, dão uma noção da insegurança no município e falta de apoio dos órgãos do governo do estado.
A questão da violência em Catolé é, de certa maneira, pontual, mas a população, de aproximadamente de 32 mil habitantes, em nada tem a ver com isso.
Ela quer segurança.
Seria irresponsabilidade afirmar que as policias civil e militar estariam de braços cruzados, muito ao contrário.
Os números mostram que as forças de segurança no estado trabalham e trabalham muito, embora padeçam de melhores salários e reconhecimento (que o digam os agentes investigadores e policiais militares).
Meios de comunicação da cidade informam o delegado Miroslav Alencar descartou que a chacina de quatro pessoas de uma mesma família, ocorrida nesse domingo (21/06), esteja relacionada a uma briga de facções.
Ele teria revelado que Catolé do Rocha está passando por uma escalada no número de homicídios e que uma briga de facções pelo tráfico de drogas na região, tem causado boa parte das mortes, mas nada indica que esse tenha sido o caso da chacina desse domingo.
Conforme a assessoria de comunicação da Polícia Civil no estado, uma equipe do Grupo de Operações Especiais (GOE) foi enviada  para a cidade de Catolé do Rocha  a fim de auxiliar nas investigações e diligências a respeito da chacina ocorrida no último fim de semana.
O delegado geral, Isaías Gualberto, disse que “estamos efetuando diligências em toda a região, juntamente com o delegado da 3ª Superintendência de Polícia Civil, Sylvio Rabelo, e o delegado da cidade de Catolé do Rocha, Roberto Barros, agora com o apoio da equipe especializada do GOE”.
Uma das vítimas foi um servidor público que trabalhava na Secretaria da Educação e foi morto a tiros na porta de casa. Segundo informações preliminares, logo após o crime desconhecidos fortemente armados invadiram o sítio Cantinho, na zona rural do município e atiraram várias vezes contra quatro homens de uma mesma família.
A suspeita é de que a série de homicídios na cidade está sendo provocada por dois presidiários que cumpriam pena no Rio Grande do Norte, mas seriam moradores do Sertão paraibano, das cidades de Catolé do Rocha e Bom Sucesso.
Eles estariam disputando o comando do local.
Essa informação, no entanto, ainda está sendo apurada pela Polícia.
(Por www.renatodiniz.com)

Nenhum comentário:

Postar um comentário