sábado, 18 de agosto de 2018

ACUSADO DE MATAR GARÇOM ACABA PRESO NA CENTRAL DE POLÍCIA. ENTENDA


*Contra ele havia um Mandado de Prisão;
*Casa do acusado foi incendiada
O acusado de matar um garçom a pauladas na noite de 15 de agosto na comunidade “São Januário”/Bodocongó, em Campina Grande, está preso na carceragem da Central de Polícia.

Na tarde deste sábado (18/08) ele compareceu a sede da 2ªSRPC para dar a versão do crime, porém havia em desfavor dele um Mandado de Prisão Preventiva expedido ainda na noite do homicídio.
O acusado é Sílvio Gomes da Silva e a vítima foi Roney Dillan Freire de Lima.
O www.renatodiniz.com, às 18h10, entrou em contato com o delegado Francisco Assis Silva.
Ele afirmou que “na parte da manhã a esposa de Sílvio Gomes da Silva compareceu à Central de Polícia e disse que amigos da vítima atearam fogo na casa dela e que só não teve o imóvel e os pertences totalmente destruídos por que os vizinhos ajudaram a apagar o fogo”.
O delegado contou que “desde a noite do crime a PC trabalhava na expectativa de prender o acusado e fez ver junto à família dele esta necessidade... A morte foi praticada com requintes de muita violência e crueldade”.
Durante o contato com o www.renatodiniz.com, o delegado Francisco Assis Silva relatou que o acusado Sílvio Gomes disse que “realmente foi ele quem matou e que este foi o único homicídio dele... Desentendeu-se com a vítima no momento em que bebiam... Ele estava indo para casa e a vítima (Roney), na companhia de outro rapaz, insistiu para que ele fosse beber e ele foi... Lá Sílvio tomou uma ‘pinga’, a vítima pediu um cigarro e Sílvio disse que não tinha...”.
O policial prossegue informando que “o acusado foi até um fiteiro próximo, comprou um maço de cigarros, entregou o maço (carteira) para que a vítima tirasse o que quisesse. Roney retirou apenas um cigarro e em seguida jogou a carteira no chão”.
Ainda, de acordo o delegado Francisco de Assis Silva, o Sílvio Gomes contou que “se abaixou para pegar a carteira de cigarros e quando se levantou recebeu um murro no rosto desferido pela vítima. Pessoas se aproximaram e acalmaram os ânimos... Ele (Sílvio) disse que ficou sem entender, pois não tinha o Roney como inimigo e se cumprimentavam diariamente. Ficou sem entender o motivo de tanta raiva”.
O delegado Assis finaliza acrescentando que o Sílvio Gomes afirmou que “emboscou a vítima, pegou um porrete e quando Roney descia na moto, parou ‘lá na frente para conversar com uma pessoa’ e ele (Sílvio) se aproximou, desferiu o primeiro golpe, Roney caiu e deu outros golpes”.
O garçom ficou com o rosto desfigurado.
O CRIME
O garçom foi assassinado a pauladas na noite da quarta-feira na Rua Santa Terezinha, na Comunidade São Januário.
Roney Dilan Freire de Lima morava nas proximidades de onde foi morto.
Segundo apurou a reportagem da TV Borborema, ocorreu um desentendimento entre ele e o acusado (Sílvio Gomes, 33 anos), quando estavam bebendo em um bar, e a situação acabou em morte na rua.
Roney era bastante conhecido no local e tinha uma filha de três anos de idade.
(Por www.renatodiniz.com)

Nenhum comentário:

Postar um comentário